Cidades

Xerimbabo recicla para falar dos elementos da natureza

A artista plástica Magda pinta o elemento ar: interação entre natureza e ser humano

 

IPATINGA – Começaram os preparativos das peças para a 28ª edição do Projeto Xerimbabo Usiminas. Artistas plásticos, escultores e pintores se empenham na composição de obras, cuja palavra de ordem é “reaproveitamento”. Garrafas pets, lâmpadas, carpetes, lonas e tantos outros objetos que iriam para o lixo ganham novas formas com o propósito pedagógico de desenvolver nas pessoas a percepção de que os recursos naturais são limitados. Sendo assim, não é possível explorá-los de forma desordenada e irracional.
“A estratégia em qualquer programa de educação ambiental deve primar pela utilização de materiais reaproveitados para a elaboração de elementos didáticos, com significado no ambiente escolar e no cotidiano das pessoas. Uma questão de coerência, daí a ideia do reaproveitamento de materiais diversos para as obras de arte da exposição”, explica o idealizador do Projeto Xerimbabo Usiminas, Lélio Costa e Silva.
O casal de artistas plásticos, Maria de Fátima e Reginaldo Louzada, tem a atribuição de fazer um jardim com 100 cataventos produzidos a partir de garrafas pets, além de uma “loja” com objetos de decoração do dia a dia das pessoas. Tudo produzido a partir do reaproveitamento de materiais.
Presente em 21 edições do Xerimbabo Usiminas, o artista plástico Rogério Terra promete surpreender os visitantes com uma imensa caverna em escultura, onde o público “descobrirá” o interior da Terra com fósseis, raízes de árvores, habitat de animais, além dos impactos da contaminação que os lixões causam aos lençóis freáticos. Na composição da peça, Rogério tem usado materiais como carpetes velhos, garrafas pets e madeiras reaproveitadas.
Já o trabalho da artista plástica Carmem Lúcia, conhecida como Miola, tem foco na retratação da fotossíntese e dos elementos “Ar” e “Terra”, por meio de paineis e maquetes.
Outro casal também presente na preparação do Projeto são os artistas plásticos Magda e Waldir Lima. Eles ficaram responsáveis pela pintura de paineis, portais e da rampa de acesso aos quiosques. “Por meio da nossa arte vamos mostrar a importância dos quatros elementos e a interação deles com o ser humano”, afirma Magda.

TEMA
À luz do tema de 2012 “Os quatro elementos da natureza”, Lélio explica que a exposição de educação ambiental vai “despertar no aluno a compreensão da natureza que necessita ser cuidada e preservada a partir da atitude de cada um, por meio do estudo dos simbólicos quatro elementos: água, terra, ar e fogo. Reciclar, refazer, arrumar e economizar são caminhos para diminuir a degradação do meio ambiente”.
De acordo com Lélio, quando se fala em poupar energia, não devemos pensar somente na conta de luz. “Qualquer produto que usamos em nosso cotidiano representa um gasto de energia em sua fabricação. Nosso convite é para que o aluno, ao estudar os quatro elementos, investigue como são feitas as coisas, neste mundo em constante modificação, onde os elementos se misturam e se transformam”, enfatiza.

Você também pode gostar