Cidades

“Presto contas através de registro fotográfico”

“Para cumprir toda a programação, precisaríamos arrecadar R$ 3,5 milhões no ano”, declarou Adiel Oliveira   (Foto: Nadieli Sathler)

 

IPATINGA – O presidente afastado da LDI, Adiel Oliveira, diz que o dinheiro recebido dos cofres públicos é direcionado para o custeio dos campeonatos promovidos pela entidade. “A Liga promove mais de 16 campeonatos diferentes durante todo o ano em Ipatinga. Em cada uma dessas competições temos de 15 a 20 clubes inscritos. Ao todo existem no município 16 modalidades”, explicou.
Mesmo tendo se afastado do cargo por aspirações políticas (ele é pré-candidato a vereador nas eleições de 2012), o presidente licenciado declarou que a agremiação fornece aos clubes materiais esportivos como uniforme, chuteira e transporte.
“Hoje toda a estrutura do futebol amador conta com a contribuição da entidade. E não só no futebol amador. Temos ação no meio ambiente, na Penitenciária de Ipaba e no Ceresp, onde inclusive estamos promovendo um campeonato no mês de junho, dando todo o apoio”, disse.

ESTRUTURA

Atualmente, a LDI possui diretamente 200 pessoas que trabalham na arbitragem com um custo anual de R$ 400 mil, segundo informou Adiel. Em finais de semana de muito movimento são realizados 68 jogos entre sábado de manhã até domingo à tarde, desde as categorias de base até o super sênior.
Vários municípios do entorno como Periquito, Açucena, Bom Jesus do Galho, Bugre, Dom Cavati, Iapu, Inhapim, Ipaba, Joanésia, Mesquita, Naque, Pingo D’água, Santana do Paraíso, Vargem Alegre, São João do Oriente, Revés do Belém, Córrego Novo e Belo Oriente são filiados à agremiação e os campeonatos realizados nessas cidades também recebem apoio da LDI.

3,5 MILHÕES
De acordo com Adiel, para cumprir todo o planejamento anual da LDI seriam necessários mais de R$ 3,5 milhões. Para viabilizar os projetos, a entidade conta com a parceria de empresas como Unimed, Cenibra, Usiminas, Vital Engenharia e vários outros.
“Só essa parceria que nós temos com a Administração não dá condições de fazer isso. Mas é lógico que não conseguimos toda essa arrecadação. Nós temos também projeto de lei de incentivo e várias outras estratégias”, falou.

CAMPOS
O presidente afastado também creditou à LDI gastos com a manutenção dos campos de futebol. “Hoje nós cuidamos dos campos. Toda a estrutura dos campos do município é da LDI. Temos dois tratores e funcionários que dão todo esse suporte de gramado e entorno do campo. Hoje a administração não cuida desse aspecto. Porque realmente é muito difícil e quem entende e tem conhecimento de gramado é a LDI”, alegou.

MARKETING ESPORTIVO

“A Liga se voltou para trabalhar com o marketing esportivo. É uma coisa que dá certo, a empresa investe na entidade e ela dá o retorno na divulgação de campanhas. Hoje fazemos isso para empresas como Usiminas. É uma prestação de serviço como nós temos hoje com a Prefeitura. Fazemos a divulgação de todas as marcas e campanhas da Administração Pública, como o Olho Vivo, campanha de combate à Dengue”, declarou.
Adiel explicou ainda que a Liga presta conta da verba repassada a titulo de publicidade pela Prefeitura de Ipatinga através de registro fotográfico. Foi fornecida à reportagem uma cópia do portfólio fotográfico da agremiação.
“Todo jogo tem placas e faixas nos campos de futebol e nas camisas que fornecemos aos times. Temos a obrigação de divulgar todas as campanhas e com registro fotográfico as faixas e campanhas. A LDI talvez seja a maior organização da sua área em todo o país”, justificou.
“Na entidade não temos esse envolvimento político, nós fazemos o nosso trabalho. Agora, crítica vai sempre existir, mas a Liga não está preocupada com isso. A LDI é anti-política e está preocupada em fazer o trabalho dela e realmente fazer diferença no esporte”, disse Adiel.

LIGA DE FABRICIANO

Notas fiscais com gastos são entregues mês a mês
Fabriciano
– Com o menor orçamento do Vale do Aço, a Liga Desportiva de Coronel Fabriciano (Lidecel) tem uma linha de atuação semelhante à de Timóteo. São repassados pela Prefeitura um total de R$ 85 mil para fomentar o futebol amador no município.
De acordo com Ludmila Alves, coordenadora de esportes especializados da Secretaria de Esportes, as verbas repassadas pela Administração Municipal passam pelo setor de fiscalização contábil.
“Todo mês, a Lidecel nos traz uma prestação de contas comprovando cada valor gasto com nota fiscal. Em 2009 a entidade recebeu R$ 72 mil. Nos últimos anos aumentamos o repasse para R$ 78 mil, e em 2012 conseguimos chegar a R$ 85 mil”, afirmou.
O presidente da Lidecel, Jadir Bhering, disse que a cada semestre é realizado um campeonato e no município existem 14 times.
“Repassamos neste ano R$ 4 mil para cada uma das equipes. Gastamos com arbitragem uma média de R$ 20 mil por campeonato. Temos ainda os gastos com a sede da Lidecel, que é alugada e com funcionários. Os repasses pela Prefeitura são feitos em parcelas mensais e nós prestamos conta de cada centavo que sai com nota fiscal”, revelou.
De janeiro a junho, é realizado o campeonato para o futebol amador. Nessa categoria a entidade fornece para os times camisa, calção e meio além da verba direta. A partir de julho, começa o torneio junior, em que as equipes só devem se manter com o dinheiro repassado anteriormente.
“Realmente precisamos de mais apoio, falam que os nossos campeonatos são os piores da região. Ficamos a ver navios. Se passasse mais dinheiro por aqui, se a nossa liga fosse milionária, faríamos mais torneios”, afirmou.


Ludmila Alves: “Nos últimos anos, aumentamos
o repasse para R$ 78 mil e, em 2012,
conseguimos chegar a R$ 85 mil”, afirmou

Você também pode gostar