Cidades

Campanha estimula parto normal

Os cuidados com as gestantes no HMC contam com o apoio de uma equipe multiprofissional, antes, durante e depois do parto

 

IPATINGA – Nove meses e o tão esperado dia para mãe e filho chega para ser um momento especial. Ainda sim, a falta de informações sobre o parto durante a gestação gera mitos e medos desnecessários a mulheres que estão prestes a dar a luz. Pensando nisso, o Hospital Márcio Cunha e o Usisaúde lançam a campanha Parto Normal: a opção natural, com o objetivo de conscientizar sobre a importância do parto normal e mostrar suas inúmeras vantagens para mãe e para o bebê.
Referência para mais de 35 municípios no Leste de Minas, o Hospital Márcio Cunha realizou de janeiro a julho desde ano 3.692 partos, por meio de convênios e do Sistema Único de Saúde (SUS). Contudo, os números tornam-se preocupantes quando, do total de partos realizados por convênio, verifica-se que 83% são cesáreas, contra apenas 16% de parto normal.
Para a ciência, já está comprovado que o procedimento natural está associado ao menor número de complicações para a mulher, como menor risco de hemorragia e infecção, recuperação mais rápida, retorno da estética corporal em menor tempo, menos dor no pós-parto e facilidade para a descida do leite, além do contato mais rápido com o recém-nascido. Para a criança, há ainda a maior chance de o bebê assumir o processo respiratório com mais rapidez, pois ela participa ativamente do processo. “É um parto fisiológico. A criança tem melhores condições de nascer bem, pois ele mesmo indica o momento mais propício para o nascimento. Por isso deve ser sempre preferido”, explica o médico Édson Gaspar.
No Hospital Márcio Cunha, toda a assistência necessária para preservar os benefícios do parto normal começam bem antes do nascimento, no pré-natal, e se estendem até o pós-parto, por meio do trabalho de uma equipe multidisciplinar. “A mulher tem muito medo de ficar sozinha, de ter dor. É o desconhecimento de que o parto normal é o melhor. Por isso é muito importante que a mulher faça o pré-natal, com no mínimo seis consultas durante os nove meses de gestação, a fim de esclarecer todas as suas dúvidas com seu médico e a equipe de Enfermagem”, ressalta a enfermeira Maria da Glória Almeida Batista.
Os cuidados com as futuras mães se intensificam na véspera do parto, nas salas de preparo do Centro Obstétrico. Além da presença de um acompanhante de sua escolha, a gestante conta com a presença da enfermeira assistencial, que contribui diretamente na assertividade e na segurança do parto, detectando possíveis complicações de forma precoce. A conduta passada por esse profissional direcionará o trabalho da equipe de técnicos de enfermagem e das doulas, as voluntárias que atuam junto às mães, dando suporte físico e emocional.
A equipe de enfermagem auxilia também na prática de exercícios fáceis de fazer e que ajudam para que o parto seja tranquilo e não se prolongue, como manter-se de pé, tomar banhos prolongados e massagens abdominais. E em caso de necessidade, há ainda a disponibilização de analgesia para as mães antes do parto.

PÓS-PARTO
Na maternidade do Hospital Márcio Cunha, outro trabalho de destaque que se estende a todas as pacientes, seja de plano de saúde ou pelo SUS, é a atuação da equipe de fisioterapia. Logo após o parto e o primeiro banho, a mulher já recebe no leito o acompanhamento para exercícios que estimulem o útero a voltar ao tamanho normal. Estímulos circulatórios de mãos e pernas para prevenir a trombose, exercícios de fortalecimento para musculatura do períneo, caminhadas pelos corredores e técnicas de respiração que ajudam a expandir o pulmão e a fortalecer a musculatura do abdômen são realizados para acelerar a recuperação da mãe. “É preciso encorajar a mulher, estimulá-la a voltar com as atividades funcionais e os cuidados com o bebê”, reforça a fisioterapeuta Aline Lage Raimundo.

CESÁREA
Apesar de ser o meio mais recomendado, o parto normal pode dar lugar ao parto cesárea. Porém, este tipo de intervenção cirúrgica deve ser indicado pelo médico e para condições específicas, e não apenas pela conveniência da mulher. “A cesariana é indicada em certas circunstâncias pelo obstetra ao parto que não está evoluindo. É preciso confiar no médico especialista da paciente, pois só ele pode fazer essa indicação e avaliar a necessidade ou não da cesárea. Vale ressaltar que, em caso de intercorrência e com indicação médica, o Hospital Márcio Cunha assegura a cesariana em tempo hábil e por uma equipe capacitada”, resume o médico Édson Gaspar.

VISITAS
O Hospital Márcio Cunha vem investindo em treinamento de toda a equipe e na reestruturação física da sala de parto do Centro Obstétrico. Estão previstas obras no setor que visam melhorar a humanização e a assistência ao paciente no parto normal. Para as gestantes que desejam visitar o Centro Obstétrico e a Maternidade do HMC, conversar com profissionais e tirar dúvidas, basta entrar em contato pelos telefones 3829-9379 ou 3829-9177.


Além de menos dor no pós-parto, há mais facilidade para a descida do leite

 

Unileste promove eventos sobre aleitamento materno
Fabriciano
– Na próxima semana, entre os dias 3 e 6 de setembro, o aleitamento materno será pauta de importantes eventos no teatro João Paulo II do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste), no campus de Coronel Fabriciano. Trata-se do I Seminário de Aleitamento Materno do Vale do Aço, XI Encontro Mineiro de Aleitamento Materno, XII Encontro Mineiro de Hospitais Amigos da Criança, XII Encontro Mineiro de Bancos de Leite Humano e o II Encontro Mineiro da Rede Amamenta Brasil.
Promovido pela Sociedade Mineira de Aleitamento Materno (Somam) em parceria com o Curso de Enfermagem do Unileste, o evento é destinado aos profissionais e estudantes de Enfermagem, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Nutrição e Medicina, bem como as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde/Educação; Superintendências e Gerências Regionais de Saúde; Hospitais e Maternidades; Universidades e Escolas e Associações, Sociedades, Grupos e profissionais envolvidos com aleitamento materno.
De acordo com Jussara Bôtto Neves, docente do curso de Enfermagem do Unileste, “neste encontro os participantes terão a oportunidade de ouvir vários profissionais envolvidos com aleitamento materno no Brasil e da nossa região, promovendo a integração e troca de experiências entre os diversos grupos”, comenta a professora.

O evento
Com uma grade de atividades que contempla cursos, palestras, oficinas, relato de experiências e conferência unificada de eventos, o Seminário busca integrar os conhecimentos sobre a importância da amamentação, discutir a situação do aleitamento materno em Minas Gerais, incentivar a implantação de novos Bancos de Leite Humano e Postos de Coleta, e motivar os profissionais de saúde a desenvolverem trabalhos e pesquisas relativos ao Aleitamento Materno.
As inscrições para participar poderão ser realizadas online, por meio do site www.unilestemg.br/amamentar/inscricao, ou presencialmente, no local do evento. O valor é de R$25 para estudantes e/ou associados à Sociedade Mineira de Aleitamento Materno (SOMAM) e R$50 para profissionais.

Você também pode gostar