Cidades

Audiência debate a saúde em Ipatinga

Para Arlen Ferreira (E), a audiência serve para fomentar a participação popular

 

IPATINGA – Representantes da Prefeitura de Ipatinga, governo do Estado, Câmara Municipal, Igreja Católica, entidades, estudantes e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) debateram o tema da 49ª Campanha da Fraternidade, durante Audiência Pública realizada na noite de segunda-feira (26), no plenário da Câmara. Com a participação de quase 200 convidados, o debate teve como enfoque a “Fraternidade e Saúde Pública – Que a Saúde se Difunda sobre a Terra”.
O município de Ipatinga foi citado como referência em atendimento e prestação de serviços na saúde para a uma microrregião representada por aproximadamente 1,4 milhão de usuários. “Como moradora de Ipatinga, apesar de todos os problemas, acredito que o município, do qual somos polo, não cuida apenas dos mais de 250 mil habitantes. A cidade é responsável por uma macrorregião, uma das mais importantes de Minas Gerais”, destacou Déborah Roland Cabral, coordenadora do Núcleo de Regulação da Superintendência Regional Saúde (SRS), com sede em Coronel Fabriciano.

POLO

Na opinião do secretário Municipal de Saúde, Arlen Ferreira, a discussão da saúde como política pública é válida desde que o assunto não seja tratado de forma política. “A Igreja Católica abordou um assunto importante na Campanha da Fraternidade deste ano. O que todos precisam compreender é que Ipatinga não foca o seu atendimento apenas no município. Temos políticas públicas como cidade-pólo, da qual somos credenciados pelo governo federal, por meio do Ministério da Saúde. Aqui, os usuários já identificam suas necessidades e sabem onde recorrer. A Audiência Pública serve para melhorar a saúde e fomentar a participação popular, uma marca deste governo”, entende.

Você também pode gostar