Cidades

Timóteo avalia saúde bucal de 630 estudantes

Ludmila: “Esta é uma ação de prevenção com objetivo de traçar um plano de metas para os próximos anos”

 

TIMÓTEO – A Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Municipal de Saúde, iniciou no dia 28 de abril o levantamento epidemiológico de saúde bucal, abrangendo 630 estudantes da rede pública, na faixa de 5 a 14 anos. O trabalho, preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), visa avaliar as condições da saúde bucal com relação a cárie (CPOD – Dentes Perdidos, Obturados e Cariados), doença periodontal, má oclusão e fluorose. No caso dos dois últimos ítens, não existem dados de levantamentos feitos anteriormente.

PELA BOCA
De acordo com o secretário municipal de Saúde, Fabiano Moreira da Silva, a velha máxima de que “a saúde começa pela boca” de fato é verdade. “Estudos da Organização Mundial da Saúde comprovam que, quanto menor o indicador de saúde bucal, menor o risco de incidência de outras doenças, como por exemplo, a Endocardite Bacteriana, uma bactéria que se instala nos dentes e ao cair na corrente sanguínea pode causar um grave problema no coração”, alerta o secretário.
Fabiano Moreira lembra que a Saúde Bucal de Timóteo já foi referência nacional com um dos menores índices de CPOD (Dentes Cariados, Perdidos e Obturados) do Brasil. O índice de CPOD preconizado pela Organização Mundial da Saúde é de 1,2 a 2,6%. O Programa Sorriso Aberto, em sua primeira etapa, teve como foco o atendimento aos alunos do materno-infantil, de 6 meses a 5 anos da rede pública municipal e creches. É a primeira vez, que Timóteo atendeu ao público materno-infantil, que recebeu cinco mil kits de higienização bucal, contendo uma sacola personalizada com uma escova de dente, um creme e um fio dental.

METAS
“Esta é uma ação de prevenção e promoção da saúde bucal com objetivo de traçar um plano de metas para os próximos anos com base no diagnóstico da população escolar do município”, explica a gerente da Seção de Odontologia da Secretaria de Saúde, a odontóloga Ludmila Resende. A faixa etária selecionada visa conhecer a situação dos dentes decíduos (a partir dos cinco anos), a dentição mista (de 7 a 12 anos) e a dentição permanente (de 12 aos 14 anos).
A OMS preconiza que 20 escolas participem do levantamento, com um número mínimo de 500 crianças ao todo. “Neste caso, 630 crianças do município vão participar. Elas são escolhidas aleatoriamente, obedecendo a faixa de idade, e o número é dividido igualmente por escola”, explica a gerente. O diagnóstico epidemiológico deve ser realizado de dois em dois anos, mas em Timóteo o trabalho estava paralisado desde 2008.

Você também pode gostar