Cidades

Prefeito mostra dívida de R$ 18 mi aos vereadores

BELO ORIENTE – Caso não haja nenhuma surpresa daqui pra frente em relação à dívida da prefeitura de Belo Oriente, o montante ficará em R$18,3 milhões. Os números foram apresentados aos vereadores pelo prefeito Pietro Chaves (PDT). Pietro participou, nesta sexta-feira (1º), da sessão de instalação dos trabalhos da Câmara Municipal. Convidado pelo presidente da Casa, Waldir Mendes, o “Diro” (PSB), o chefe do Executivo apresentou o relatório dos primeiros 30 dias de sua gestão aos parlamentares.

Pietro ressaltou que buscará realizar um trabalho harmônico com o Legislativo. “Estou aqui, nesta primeira sessão, em respeito aos legítimos representantes da nossa população. Da minha parte, os vereadores terão respaldo para fazer o trabalho que lhes foi confiado. Juntos, vamos construir uma Belo Oriente mais feliz para todos”. Diro desejou sucesso à nova gestão, frisando que a Câmara “estará sempre de portas abertas para discutir e votar aquilo que for benéfico para o povo de Belo Oriente”.

CAOS FINANCEIRO
Em sua fala na tribuna, Pietro mostrou aos parlamentares a real e “gravíssima” situação financeira da prefeitura, provocada pelas dívidas herdadas da administração 2008/2012. De acordo com o relatório, cuja cópia foi entregue a cada vereador, R$ 7,8 milhões referem-se a dívida fundada e os outros R$ 10,5 milhões referem-se a dívidas flutuantes ou de curto prazo com fornecedores, prestadores de serviços, servidores ativos e inativos, consignações, dentre outras”, explicou o prefeito.

Segundo Pietro, do montante flutuante, já foram pagos neste mês de janeiro R$ 3,1 milhões, num total de 15 credores, como Cemig, Telemar, Previdência Social, servidores, dentre outros. “Apesar dessa grave situação, já colocamos em dia o pagamento dos servidores efetivos, que receberam os salários de janeiro e dezembro, além das férias pagas aos trabalhadores da educação”, observou.
O prefeito estava acompanhado dos secretários Pedro Henrique Damasceno (Chefia de Gabinete), Wagner Oliveira Guimarães (Governo e Cidadania), Lilian Carvalho (Fazenda), André Rodrigues (Procuradoria Geral) e Cléber Barros (Controladoria Geral).

Você também pode gostar