Internacionais

Submisso, governo diz que EUA tratam bem as crianças separadas dos pais

Num desabrido ato de submissão ao governo norte-americano, na véspera do jogo do Brasil com a Bélgica na Copa da Rússia, os ministros Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) e Gustavo do Vale Rocha (Direitos Humanos) encontraram nesta quinta-feiera (5), em Chicago (Estados Unidos) vários dos adolescentes e crianças brasileiros, separados dos pais considerados imigrantes ilegais. Segundo eles, as crianças e adolescentes estão sendo bem tratadas pelos EUA, como se a separação de filhos e pais, colocados em versões trumpianas de campos de concentração modernos, fosse um ato normal.

Aliás, segundo a revista “Exame”, abrigar crianças imigrantes é um negócio bilionário nos Estados Unidos, e que está em alta desde a política de tolerância zero do presidente norte-americano Donald Trump contra imigrantes indesejados. A ONG Southwest Key Programs ganhou 955 milhões de dólares em contratos com o governo desde 2015, de acordo com uma reportagem do New York Times.

FELIZES

“Alegres e animados com futebol, as crianças e os adolescentes afirmaram que estão na torcida pela seleção brasileira. Também aparentaram estar bem alimentados e vestidos adequadamente”, divulgou a Agência Brasil.

Os ministros visitaram 21 crianças e adolescentes, que têm de 9 a 17 anos, em um abrigo da rede Heartland Alliance, em Chicago. Os filhos de brasileiros foram separados dos pais durante a travessia da fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Ainda nesta quinta-feira, Aloysio Nunes e Gustavo Rocha visitam um segundo abrigo, também em Chicago, onde estão 12 filhos de brasileiros.

CONCENTRAÇÃO

Chicago é o local de maior concentração de crianças e adolescentes brasileiros nos Estados Unidos: são 33. No país, de acordo com o último levantamento do Itamaraty, há 55 filhos de brasileiros separados de suas famílias.

A separação das famílias de brasileiros e de outras nacionalidades é consequência da política de tolerância zero contra a imigração ilegal implementada em maio pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

VERIFICAÇÃO

Gustavo Rocha disse que o objetivo da visita é verificar a situação das crianças e adolescentes e entender de que maneira o governo pode ajudar, levando em conta a vontade das famílias.

Nesta sexta (6) e no sábado (7), os ministros participam de reuniões com embaixadores, chefes de posto e cônsules brasileiros nos Estados Unidos, Canadá e México. Estarão representados no encontro os consulados gerais em Atlanta, Boston, Chicago, Hartford, Houston, Los Angeles, México, Miami, Montreal, Nova York, São Francisco, Toronto, Vancouver e Washington, além das embaixadas na cidade do México, Ottawa e Washington.

Você também pode gostar