Cidades

Programa da Aperam completa três décadas

O reconhecimento pelos resultados e o surgimento de boas ideias marcam a trajetória do Círculo de Controle de Qualidade      (Crédito: Divulgação Aperam)

TIMÓTEO – A inspiração teve duas origens: o cinema e o cotidiano na Laminação a Frio de Aços Elétricos. O grupo Gladiador do Círculo de Controle de Qualidade (CCQ) percebeu que os cilindros utilizados na área para deixar o aço na espessura desejada se desgastavam de forma irregular. Com isso, a empresa precisava substituí-los com muita frequência. A situação mobilizou os integrantes a procurar uma forma de resolver o problema, e a solução estava na mudança de posição dos cilindros.

A ideia precisava de um nome e os integrantes enxergaram semelhança na relação entre os cilindros e dois personagens bem conhecidos das telonas. Assim, o projeto foi batizado de ‘O gordo e o magro’.

A iniciativa, de tão bem recebida, rendeu ao grupo o primeiro lugar no Seminário Geral de CCQ, no ano de 2001, e a oportunidade de representar a Aperam em um evento que reuniu projetos desenvolvidos por meio do CCQ, na França. “Fomos muito elogiados. Aquele problema era crônico em muitas empresas e nosso projeto poderia ser implantado em várias delas”, lembra o secretário do grupo Gladiador e mantenedor mecânico da Laminação a Frio de Aços Elétricos, Edgar Martins de Lana.

O reconhecimento pelos resultados e o surgimento de boas ideias marcam os 15 anos de trajetória do grupo Gladiador. Assim como na história desse grupo, ao longo de 30 anos a empresa viu surgir grande variedade de projetos que resultaram em mais segurança, redução de custos, conforto no ambiente de trabalho, integração entre os empregados e construção de conhecimento. Nestes 30 anos, projetos de CCQ da Aperam se destacaram em palcos nacionais e internacionais, conquistando prêmios de grande relevância. Atualmente são 257 grupos e 1.514 circulistas (empregados que participam do CCQ) participantes.

O PROGRAMA
O programa desembarcou no Brasil na década de 1970 e treze anos depois começava a ser implantado na Aperam, com a participação de apenas três grupos. As áreas foram, aos poucos, ganhando capacitação para aplicar a nova ferramenta de trabalho. Quando a novidade chegou até a Redução, em 1991, o analista da Qualidade, Élvio de Souza Reis, não conteve a curiosidade. Foi selecionado para participar dos treinamentos ‘Filosofia do CCQ’ e ‘Metodologia para Análise e Solução de Problemas’ e, em seguida, tornou-se um multiplicador, capacitando 100% dos empregados da área. É orientador há 15 anos.

Você também pode gostar