Cidades

Ocupar espaço na cidade é tema da VII Jornada de Psicanálise dia 2

IPATINGA – O Centro de Estudo e Pesquisa em Psicanálise do Vale do Aço promove a sua VII Jornada no próximo dia 02, de 8h até 18h, no espaço do Grande Hotel, avenida Brasil, 560, Iguaçu, Ipatinga. Os valores das inscrições são: 80 reais (profissional), 50 reais (servidor público) e 40 reais (estudante). Sob o tema “Escutar a Cidade, Ocupar-se da Polis”, o evento articula teoria e prática psicanalítica.
Conforme os organizadores, desde sua invenção, com Sigmund Freud, a psicanálise se propôs a ocupar-se da subjetividade de sua época. Na contemporaneidade, a prática psicanalítica se coloca para além dos consultórios tradicionais e sente-se convocada a ocupar um espaço político na sociedade.
Segundo a psicanalista Juliana Corrêa Andrade, trabalhadora da Política Pública de Saúde Mental, “o psicanalista escuta os sintomas de sua época não apenas em sua atuação clínica nos consultórios particulares, mas, sobretudo, ao ocupar-se de outros espaços como instituições públicas, organizações não-governamentais e outros em que a cidade pulsa perpassada pela cultura e seus diferentes discursos”. Para ela, nestes espaços cabe ao psicanalista se posicionar contra a universalização das práticas e segregação dos corpos muitas vezes almejadas e a favor da singularidade de cada um.

APROXIMAÇÃO

A VII Jornada de Psicanálise do CEPP (Centro de Estudo e Pesquisa em Psicanálise do Vale do Aço) tem como objetivo se aproximar da cidade, e escutar seu cotidiano e vozes, além de convidar profissionais e sociedade civil a ocupar seu lugar na cidade. Para Humberto Oliveira, coordenador do CEPP, "a Jornada é um momento para que os psicanalistas não apenas se escutem, mas também reforcem as várias formas que a psicanálise inventou de ocupar a polis e exercer a escuta da subjetividade não apenas como uma atitude terapêutica, mas também política".

CONVIDADOS
A VII Jornada de Psicanálise do CEPP contará com a intervenção artística e participação da Cia. Híbridus de Dança e do sociólogo Cláudio Letro. E também conta com a parceria da livraria e editora Scriptum, de Belo Horizonte.
Como convidado especial, a Jornada contará com Marcelo Bizzotto Pinto, psicanalista graduado em Psicologia pela PUC Minas e Mestre em Psicologia pela UFMG. Marcelo manteve um percurso de escuta na cidade, tanto em Belo Horizonte através da Clínica de Atenção Psicossocial Freud Cidadão, quanto trabalhando um período na Antenne 110, instituição francesa fundada pelo psicanalista Antonio di Ciaccia.

SERVIÇO

Para inscrições e informações: 3824-2499


Programação

8h: Credenciamento
8h30: Abertura:
Fala do coordenador – Beto Oliveira
Participação Cultural: Intervenções “Hibridus Dança”
9h15: Mesa I – Escutar A Cidade
a. A Lógica do Condomínio e a Atrofia do Laço Social – Keith Boy Junior
b. As Cidades de Cada Um: Geografia e Escrita – Cássia Túlio
c. O Inconsciente é a Cidade – Loren Costa
Coordenadora: Cristina Abrantes
10h30: Conferência: A psicanálise na Cidade
Marcelo Bizzotto Pinto
Psicólogo pela PUC-MG e Mestre em Psicologia pela UFMG.
Coordenador: Beto Oliveira
12h00: Intervalo para Almoço (Grande Hotel)
13h15: Intervenção Cultural
13h45: Mesa II Ocupar-se da Polis
a. O Que nos Torna Parceiros – Camila Mendonça et al.
b. O Trabalho com Jovens no Território: Uma Saída Possível” – Fernanda Gulart Feliciano e Martha Florença de Souza Coridola
Coordenadora: Marília Moreira
14h30 Entrevista: Juliana Correa entrevista o sociólogo Cláudio Letro e o grupo “Hibridus Dança”
15h15 Café
15h45 Mesa III A instituição na cidade
a. O PSICANALISTA NO SOCIOEDUCATIVO: OCUPAR-SE DO RESTO, RESGATAR A PALAVRA – Marcela Fernanda
b. ESTUDO DE CASO – ChrystianStocler
c. UM LUGAR CHAMADO TAMBÚ – Marília Moreira
Coordenadora: Patrícia Guedes
16h30 Conversação
17h15 Encerramento

Você também pode gostar