Cidades

COI lança laboratório Digital de próteses

IPATINGA – Durante a inauguração das obras de modernização e ampliação da sede do Centro de Odontologia Integrada (COI), administrado pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX) foi dada a largada para o início das atividades do laboratório digital de próteses dentárias. A nova tecnologia representa ainda mais benefícios aos pacientes em termos de planejamentos mais eficientes, redução no desconforto e efetividade nos tratamentos.

O laboratório representa mais um investimento em inovação feito pela FSFX. O local conta com um novo processo de fabricação de próteses por meio de modernos equipamentos como scanner intrabucal, scanner de bancada, softwares para elaboração de projetos e planejamento de tratamento e fresadora. “Esse novo projeto é fruto de um grande esforço da Fundação para desenvolver ações de excelência no Vale do Aço e região. Temos um indicador de saúde bucal melhor que os de muitos países de primeiro mundo, graças ao modelo de prevenção adotado pelo COI. O nosso objetivo é apresentar inovações que promovam grandes mudanças na vida das pessoas,” afirmou o diretor executivo da Fundação São Francisco Xavier, Luís Márcio Araújo Ramos.

INOVAÇÃO

Os procedimentos realizados no laboratório digital serão acompanhados por dentistas especializados, garantindo melhores resultados estéticos e funcionais. “Todos os nossos processos são realizados por profissionais qualificados que tem todo o preparo para atender o nosso cliente com o que há de melhor no mercado. Com essa novidade que apresentamos aos nossos pacientes, vamos contribuir para que eles desfrutem de um atendimento mais inovador e eficaz. A inovação faz parte da Fundação São Francisco Xavier e o COI mais uma vez está se destacando na implantação do laboratório digital”, ressaltou Marcelo Bouissou de Sousa, superintendente do Centro de Odontologia Integrada.

ETAPAS

Além de oferecer tecnologia de ponta e soluções personalizadas, a equipe de profissionais do COI será responsável por avaliar cada etapa do processo de tratamento do cliente para oferecer o melhor encaminhamento.

No primeiro momento, o scanner intrabucal faz um molde virtual da boca do paciente eliminando a necessidade das moldagens de gesso, um dos principais desconfortos no tratamento bucal. Em seguida a imagem capturada é trabalhada digitalmente em softwares específicos, onde são criados desenhos tridimensionais das peças anatômicas necessárias ao tratamento. Este processo traz agilidade e melhora a previsibilidade na execução dos trabalhos, assegurando parâmetros necessários como suas dimensões e espessuras mínimas para cada tipo de material a ser utilizado. O último passo é tornar os projetos virtuais em físicos. Utilizando uma fresadora, as peças trabalhadas virtualmente são produzidas, utilizando-se o material mais indicado no tratamento de cada paciente.

Você também pode gostar