àrea de notificações àrea de notificações àrea de notificações àrea de notificações

Nenhum outro registro encontrado!
Email enviado com sucesso!
Falha ao enviar o email!
11/12/2017 08h59

Europa não apoia decisão de Donald Trump sobre Jerusalém

- Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) rechaçaram o pedido feito pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para que o bloco seguisse o exemplo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e reconhecesse Jerusalém como capital de Israel.

BRASÍLIA - Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) rechaçaram o pedido feito pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para que o bloco seguisse o exemplo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e reconhecesse Jerusalém como capital de Israel. A informação é da agência Reuters.
Até os aliados europeus mais próximos de Israel, como a República Tcheca, advertiram que a decisão de Trump prejudica os esforços de paz, enquanto a França insistiu que o status de Jerusalém só pode ser definido em um acordo final entre israelenses e palestinos. O ministro de Relações Exteriores tcheco, Lubomir Zaoralek, disse temer que a iniciativa "não possa nos ajudar".

RADICAL
Netanyahu, durante visita a Bruxelas para uma reunião de ministros de Relações Exteriores da UE, disse que a decisão de Trump tornou a paz no Oriente Médio possível "porque o reconhecimento da realidade é a substância da paz, a fundação da paz".
O premiê israelense, que tem se demonstrado irritado com a busca da UE por laços comerciais mais próximos com o Irã, disse que a decisão de Trump, condenada pelos palestinos e pela Europa, deveria ser repetida pelos europeus.

FRONTEIRAS
Na semana passada, o Ministério de Relações Exteriores da República Tcheca disse que começaria a considerar a transferência da embaixada tcheca de Tel Aviv para Jerusalém, o que muitos em Israel viram como um apoio ao passo de Trump. Em seguida, entretanto, Praga disse que aceitava a soberania de Israel somente sobre Jerusalém Ocidental.
Ministros de Relações Exteriores da UE reiteraram o posicionamento do bloco de que as terras que Israel ocupa desde a Guerra dos Seis Dias, de 1967 – incluindo a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e as Colinas de Golã – não fazem parte das fronteiras internacionalmente reconhecidas do país.
A Guerra dos Seis Dias foi um conflito militar que envolveu Israel e os países árabes - Síria, Egito, Jordânia e Iraque apoiados pelo Kuwait, Arábia Saudita, Argélia e Sudão - entre 5 e 10 de junho de 1967, no qual o estado sionista saiu como grande vencedor, ocupando vasto território na região.

COMPARTILHAR:
leia Edição Digital
assine agora!
16_01_2018_21_55_38 16_01_2018_21_55_38

últimas

Subir
Descer
» Publicidade
Banner Cenibra hanoi
PUBLICIDADE

Shopping

topo SIGA Fique por dentro das últimas notícias

Redação

Interag

Av Juscelino Kubitschek, 1290Jardim Panorama Ipatinga-MG / CEP:35164-245 - diariopopular.redacao@gmail.com

Telefone: (31)3827-0369

Google Maps
© 2000-2018. Jornal de Verdade.