àrea de notificações àrea de notificações àrea de notificações àrea de notificações

Nenhum outro registro encontrado!
Email enviado com sucesso!
Falha ao enviar o email!
05/04/2017 04h00

"Bandido bom é bandido morto" é rejeitada por 6 entre 10 cariocas

A expressão "bandido bom é bandido morto" – popularizada na década de 80 por José Guilherme Godinho, o Sivuca, quando delegado de polícia do Rio – não é aprovada pela maior parte da população da cidade, segundo a Pesquisa Olho por Olho.

BRASÍLIA - A expressão "bandido bom é bandido morto" – popularizada na década de 80 por José Guilherme Godinho, o Sivuca, quando delegado de polícia do Rio – não é aprovada pela maior parte da população da cidade, segundo a Pesquisa Olho por Olho, divulgada nesta quarta (5) pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes.
Seis em cada dez moradores da capital discordam do chavão e 31% afirmam concodar integralmente. Uma parcela de 3% declarou-se neutra, ou não respondeu sobre o tema, e 6% concordam parcialmente com a frase.
A pesquisa mostra que, entre os que concordam que "bandido bom é bandido morto", 38% acreditam que apenas a Justiça pode determinar a morte de um criminoso, rejeitando o apoio a execuções. Já 31% dos que pensam que assim afirmam que só a polícia deveria matar os criminosos.

LEGALIDADE
Para o pesquisador Ignacio Cano, apesar de alta, a adesão ao chavão tem um traço positivo. "Há uma defesa da legalidade, mesmo entre os que apoiam a ideia de que bandido bom é bandido morto", disse. Ele também destacou que o resultado desmistifica a ideia de que o Rio de Janeiro, por seus índices de violência, teria maior adesão à frase.
No ano passado, uma pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que avaliou a aprovação à ideia expressa no chavão, chegou ao percentual médio de 57% em cidades brasileiras com 100 mil habitantes.

RELIGIÃO E GÊNERO
A adesão à frase varia de acordo com o gênero e a prática religiosa dos entrevistados. Segundo a pesquisa, religiosos praticantes, especialmente evangélicos, são os que mais discordam da frase "bandido bom é bandido morto" (73,4%). A pesquisadora Julita Lemgruber diz que o dado é o mais surpreendente da pesquisa, porque descola os religiosos de posições mais conservadoras defendidas por bancadas religiosas no Congresso.
"A grande maioria da população do Rio que se identifica como evangélica praticante não apoia as violações de direitos que muitas vezes a bancada evangélica no Congresso apoia", afirma Julita.

RELIGIOSOS

Os religiosos que frequentam cultos regularmente também são os que mais acreditam na ressocialização. Enquanto a proporção de cariocas que acreditam na ressocialização é de 73%, entre os religiosos praticantes é de 86%.
Entre as mulheres, o apoio à frase "bandido bom é bandido morto" é de 35%, enquanto 42% dos homens a defendem.
A pesquisa ouviu 2.353 pessoas, com ao menos 16 anos, em pontos de fluxo do município do Rio de Janeiro. O questionário, com mais de 40 perguntas, foi aplicado em março e abril do ano passado.

QUEM É BANDIDO?
Questionados sobre "quem é bandido", os entrevistados, em sua maioria, afirmaram que são os autores de crimes. Os principais fatores que levam as pessoas a se tornarem bandidos, na opinião dos entrevistados, são índole (24%), escolha pessoal (24%), falta de oportunidades (19%), más companhias (14%) e problemas familiares (10%).

COMPARTILHAR:
leia Edição Digital
assine agora!
22_08_2017_01_46_56 22_08_2017_01_46_56

últimas

Subir
Descer
» Publicidade
Banner Cenibra
PUBLICIDADE

Shopping

topo SIGA Fique por dentro das últimas notícias

Redação

Interag

Av Juscelino Kubitschek, 1290Jardim Panorama Ipatinga-MG / CEP:35164-245 - diariopopular.redacao@gmail.com

Telefone: (31)3827-0369

Google Maps
© 2000-2017. Jornal de Verdade.