Cidades

Vento derruba árvore de 15m na avenida Macapá

Departamento de Meio Ambiente explica que chorume do lixo causa fragilização de árvores, que se tornam mais vulneráveis à ação dos ventos

 

IPATINGA – Uma forte ventania na tarde desta quinta-feira (18), por volta de 15h, derrubou uma árvore com cerca de 15 metros na região central da avenida Macapá, no bairro Veneza I. Um carro estacionado na via, no sentido Centro/bairro, teve danos no para-brisa frontal, painel e capô. Contudo, ninguém se feriu. O fornecimento de energia ficou interrompido por quase duas horas em alguns estabelecimentos comerciais e domicílios.

Assim que a Secretaria de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma) recebeu a informação sobre o incidente, funcionários da Infrater – que presta serviços de implantação, recuperação e manutenção de parques e jardins no município – se mobilizaram para fazer a remoção da árvore. O trânsito ficou interrompido somente no sentido Centro/bairro e foi liberado antes das 17h.

Um carro que estava estacionado na via teve danos no para-brisa, capô e painel, mas ninguém se feriu

DETERIORAÇÃO

De acordo com o Departamento de Meio Ambiente (Demam), um dos fatores que teria colaborado para a queda da árvore seria a deterioração e fragilização da raiz da planta em função da prática comum de depositar lixo ao pé dos troncos ao longo da via. “Esse lixo produz o chorume, que é um líquido poluente originário da decomposição de matéria orgânica. É uma espécie de gordura que enfraquece a raiz da planta. Quando há uma ventania forte como a desta quinta-feira, a árvore fica mais debilitada, correndo risco de ser inteiramente arrancada”, explica Nubia Laís Fernandes Batista, diretora do Demam.

Segundo o Departamento de Meio Ambiente, lixo depositado ao pé da árvore provoca a deterioração da raiz

CENSO ARBÓREO

O governo municipal, por meio da Infrater, está realizando um inédito censo arbóreo na cidade, a fim de catalogar as espécies que estejam com sua estrutura comprometida ou causando dano a equipamentos públicos, além de representar algum risco para a segurança de pessoas e objetos. O censo além de identificar e classificar árvores existentes ele também levanta áreas disponíveis para novos plantios.

O diretor da Infrater, Rafael Castro, explica que as árvores encontradas em qualquer uma destas situações são substituídas por outras espécies. “Ainda estamos na fase de catalogar todas as árvores. A maior parte delas tem aproximadamente 50 anos, requerendo substituição. Quando condenadas ou caso estejam causando algum problema ao espaço público, elas são substituídas por espécies que chegam a, no máximo, 5 metros de altura em sua fase adulta, como a Escova de Garrafa, Flamboyant Mirim, Ypê de Jardim e Aroeira Salsa. O que o censo possibilita é colocar a árvore certa no lugar certo”, esclarece Rafael. As ações são parte do projeto ‘Calçada Linda’, que visa proporcionar arborização mais adequada em toda a cidade.

 

 

Você também pode gostar