Nacionais

Vale do Aço deverá ganhar novo IML até o fim do ano

IPATINGA – A situação de emergência de segurança pública no Vale do Aço, com a interdição do Instituto Médico Legal (IML) e do Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) de Ipatinga, além da falta generalizadas de viaturas da Polícia Civil em toda a região, ganhou uma luz no fim do túnel nesta terça-feira (4). Os problemas foram debatidos em duas reuniões na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, entre a deputada Rosângela Reis (PROS) e o secretário de Estado de Segurança Pública, Sérgio Barbosa, o secretário de Estado de Administração Prisional, desembargador Francisco Kupidlowskios, representantes de nove Conselhos Comunitário de Segurança Pública (Consep) da região, o assessor de Articulação Interinstitucional da Polícia Militar, coronel Ledwan Salgado Costa, e o assessor de Articulação Interinstitucional da Polícia Civil, delegado-geral André Pelli.

INTERDIÇÃO

O atual prédio do IML de Ipatinga está interditado a pedido do Ministério Público Estadual devido à precariedade do local e risco de desabamento. Com a reforma da estrutura que atende cerca de 600 mil pessoas em toda a região impossibilitada será estudada uma parceria com faculdades para a realização de procedimentos de necrotério e de outros exames.
A transição será até a construção de um novo prédio, com terreno e projeto já assegurados, que, segundo o secretário Sérgio Barbosa, garantirá recursos por meio de um acordo para usar recursos provindos das multas do Seguro de Trânsito – Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT). A estimativa é que a obra custe cerca de R$ 300 mil e seja iniciada ainda neste ano. Também será estudada o atendimento da demanda de um posto integrado de perícia da Polícia Civil em Ipatinga.

VIATURAS

A situação das viaturas da Polícia Civil e Militar em toda a região também foi pauta da reunião. Em Ipatinga, nove carros descaracterizadas estão fora de operação por problemas de manutenção. A delegacia regional da cidade sofre até com a falta de combustível para os veículos. Já em Naque e Jaguaraçu, cada uma conta com apenas um automóvel para a PM, sendo do modelo Fiat Uno, sem cofre para transporte de detentos. O secretário Sérgio Barbosa prometeu estudar o problema para chegar a uma solução. Um levantamento será feito para ver quais unidades poderão ter baixa e serem substituídas.
Outra possibilidade levantada foi a criação de um consórcio de segurança pública entre as cidades para superar as dificuldades de orçamento e de articulação. A iniciativa pode ainda viabilizar a expansão do programa Olho Vivo em toda a região.
A deputada Rosângela Reis comemorou a disponibilidade de atendimento dos pedidos dos Conseps. “Os problemas são graves e precisam de urgência para serem resolvidos. Conseguimos prioridade para a resolução dessas dificuldades junto com os representantes dos conselhos comunitários”, disse.

CERESP
A comitiva também se reuniu com o secretário de Estado de Administração Prisional, desembargador Francisco Kupidlowski, para tratar da situação do Ceresp de Ipatinga, destruído em uma rebelião em outubro do ano passado. Os Conseps apresentaram os problemas em toda a região devido a interdição da unidade. A deputada Rosângela Reis pediu agilidade para uma solução do caso. O secretário se mostrou solidário e que vai priorizar o atendimento do Vale do Aço.
Participaram dos encontros os representantes dos Conseps Integrado Ipatinga (Gerson Paulino, Eliana Soares Correia e Adenir Soares Martins), de Ipaba (Raimundo Batista Santos e Clarisse Calaes dos Reis), de Coronel Fabriciano (José Orlando Andrade), de Naque (Leandro Garajau e Rómulo de Moraes), de Marliéria (Arilton Cabral Lage), de Timóteo (Renato Drumond Guerra) e de Jaguaraçu (Hilton Duarte).

Você também pode gostar