Cidades

“Usiminas precisa de socorro”, afirma presidente do Sindipa

O sindicalista Luiz Carlos Miranda pede mobilização

 

IPATINGA – O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Ipatinga (Sindipa), Luiz Carlos Miranda (PDT), afirmou que as demissões de trabalhadores não são o único problema enfrentado pelas empresas do Sistema Usiminas. A entrevista concedida à imprensa na manhã de ontem (5) foi motivada pelo anúncio de demissões na Usiminas Mecânica. Duzentos e trinta trabalhadores perderam seus empregos.
“Todas essas pessoas são trabalhadores da manutenção e o número aproximado de funcionários que vai para a rua pode chegar a 250 em Ipatinga. Essas demissões são imotivadas, mas infelizmente não tem nenhuma lei que possa proteger esses trabalhadores, já que esse número não é considerado uma demissão em massa”, lamentou o presidente do Sindipa, que também é deputado estadual.
Parte dos trabalhadores será reaproveitada em outras empresas do Sistema Usiminas. Segundo informações do Sindicato, alguns funcionários podem ser direcionados para outras cidades. “Temos feito gestões junto à direção da Usiminas para que essas pessoas possam ser aproveitadas, mas direcionar esses trabalhadores para outras cidades é tampar o sol com a peneira. Porque só o impacto social que isso causa já é muito grande. Avisar esses trabalhadores que eles não serão recontratados e podem ter que ir trabalhar em outra cidade e deixar as famílias não é bom”, considerou Luiz Carlos.
Para ele, o problema tem que ser solucionado na própria região. “É preciso cuidar de quem vive aqui e quer cuidar da sua família aqui. A empresa está desestruturando famílias e pessoas, não é este o caminho. O espírito é manter as pessoas aqui no Vale do Aço”, disse o presidente do Sindipa.

CRISE

O Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Ipatinga (Sindipa) acredita que o problema enfrentado pela Usiminas é resultado da má gestão. “O Brasil passou por uma crise, mas outras empresas da região não foram afetadas. O que aconteceu aqui foi um problema de gestão. E quem vai pagar caro por esse reflexo da má gestão são os funcionários, que não têm nada com isso”, disse Luiz Carlos Miranda.
Para o presidente do Sindipa, a terceirização do processo de manutenção da Usiminas foi crucial para as demissões. “Esses resultados que estão sendo colhidos agora são resultados das gestões dos últimos quatro anos da Usiminas, quando eles optaram por separar o processo de produção do processo de manutenção. A Usimec passou a ser responsável por todo o processo de manutenção que antes era feito em todas as áreas da Usiminas, mas agora eles chegaram à conclusão que isso não funcionou”, relatou o presidente.

Você também pode gostar