Nacionais

Usiminas homenageia funcionários de 10, 20, 30 e 40 anos de empresa

Rommel Erwin: “O jardim só é bonito e tem valor se for bem cuidado. Não é diferente na Usiminas”

IPATINGA – Para escrever uma história sólida de seis décadas e manter-se consistentemente, durante toda a trajetória, como líder em seu segmento no país, uma empresa precisa de alicerces. No ano em que comemora 60 anos de fundação e 54 de operação, a Usiminas mais uma vez destaca seus empregados como a sua principal força que sustenta a empresa há tanto tempo no topo do setor de aços planos no Brasil. Nos dias 8 e 9 de novembro, o Centro Cultural Usiminas foi palco de homenagens a 460 empregados da Usiminas, Usiminas Mecânica e Unigal, que completaram décadas de dedicação à companhia em 2016.

Nas cerimônias de reconhecimento, a história construída pelos colaboradores da empresa recebeu uma narrativa diferente, com simplicidade, mas muita sensibilidade. As performances do grupo Casa Laboratório e da Orquestra de Câmara do Vale do Aço – iniciativas que são patrocinadas pela Usiminas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais – abordaram a jornada de todos os empregados a partir de uma metáfora sobre o ciclo de florescimento de um jardim.

RECONHECIMENTO
Segundo o presidente da Usiminas, Rômel Erwin de Souza, as homenagens são uma oportunidade de reconhecer publicamente a importância de cada funcionário na construção da companhia. “Podemos comparar nosso trabalho ao de um jardineiro, que precisa se empenhar diariamente, cultivar o solo, gostar genuinamente do seu ofício e ter orgulho do que faz. Afinal, o jardim só é bonito e tem valor se for bem cuidado. Não é diferente na Usiminas”, afirmou o executivo.

Na plateia do Centro Cultural Usiminas, familiares e gestores dos homenageados acompanharam momentos emocionantes. A analista de RH Sônia de Lourdes Cupertino Malheiros e seu marido, o técnico de automação César Henrique de Meneses Malheiros, comemoraram juntos 30 anos na Usiminas. “A empresa tem sido uma escola com grandes mestres. Desenvolvi-me humana e profissionalmente, e a grande conquista da minha vida também teve início aqui. Na fila para o almoço, conheci meu esposo, com quem estou casada há 27 anos. Juntos, chegamos a três décadas na empresa”, celebrou Sônia.

LAÇOS
Os laços familiares, muitas vezes, se confundem com os profissionais. Rodrigo Soares Silva, técnico de processos da Usiminas, que completou 20 anos na empresa, é neto, filho e sobrinho de empregados da empresa. “Minha história continua a trajetória de minha família, que começou quando meu avô veio para Ipatinga na década de 1950. Ele ajudou a construir a usina e se aposentou aqui. A Usiminas representa nossa vida inteira, tudo que construímos e muitas das nossas conquistas”, afirmou Rodrigo.

As cerimônias também reforçaram o trabalho realizado pela empresa, por meio do Instituto Cultural Usiminas, no fomento à cultura nas comunidades em que está inserida. “É mais um apoio que recebemos da companhia, que patrocina nosso trabalho por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais e ajuda a desenvolver pessoas pela música”, garantiu Vinícius Saturnino Chaves, maestro da Orquestra de Câmara do Vale do Aço e empregado da Usiminas, que participou da solenidade e conduziu a narrativa musical do evento.

TRADIÇÃO
As homenagens aos empregados que completam 10, 20, 30 ou 40 anos de Usiminas já são eventos tradicionais e têm como objetivo reconhecer a relevante parceria entre a empresa e seus colaboradores. Ao todo, a Usiminas possui 14 mil empregados e, deste total, cerca de 800 – considerando também os colaboradores das demais unidades – serão homenageados nos eventos ao longo do mês.


A Orquestra de Câmara Vale do Aço e a cantora Célia Braga (BH)

Você também pode gostar