Policia

Roubo a caixas eletrônicos deixa polícia em alerta

Os criminosos chegam a utilizar dinamite de uso exclusivo do Exército

 

IPATINGA – A explosão de um caixa eletrônico na cidade de Entre Folhas foi só mais um dos casos que vem ocorrendo com frequência na região. Quando os aparelhos não são explodidos, são arrombados e, na maioria das vezes, causa pânico por causa da natureza violenta do crime.
A última ocorrência foi na madrugada da última quinta-feira (1º), e deixou moradores assustados. Populares da região central da cidade relataram que ouviram um barulho alto de explosão e avistaram quatro homens encapuzados, um deles armado de pistola, em um veículo Corsa, cinza. Em seguida, ocorreu uma segunda explosão. Após retirarem tudo, eles saíram em alta velocidade em direção a Vargem Alegre.
A responsável pela agência relatou que a máquina estava inoperante por dois meses devido a um defeito e foi consertada na segunda-feira. O terminal foi abastecido durante a tarde de quinta, com o valor de R$ 96.530,00.
A explosão causou danos generalizados na agência, com quebra de paredes, do teto de gesso e de duas portas de vidro blindex. Após o trabalho da perícia, o local foi liberado para limpeza. Os bandidos não foram encontrados.

HISTÓRICO
Este é apenas mais um dos casos de explosões a caixas eletrônicos que vem ocorrendo em cidades consideradas até então “pacatas”. No ano passado, foi registrada em Santana do Paraíso a explosão de caixas eletrônicos, provocando a destruição do posto bancário.
O caso mais recente foi o de Jaguaraçu, onde a única agência bancária foi destruída com os explosivos. Em nenhum dos casos, a Polícia Civil conseguiu apontar os autores. Além das explosões, a polícia ainda registra os casos de arrombamentos aos caixas eletrônicos.
O delegado de Crimes Contra o Patrimônio Público (DACCP), João Luiz Martins Barbosa, explica que na maioria das vezes o armamento utilizado pelos criminosos inclui dinamites de uso exclusivo do Exército ou em casos específicos de implosões de prédios e pedreiras, com autorização. “Então essas pessoas que de alguma forma conseguem esse tipo de explosivo aproveitam de locais ermos, onde existem caixas eletrônicos em locais de pouca movimentação. Os criminosos agem quase sempre de madrugada e finais de semana”, disse, acrescentando que a forma de os bandidos conseguirem a dinamite com mais facilidade seria desviando os explosivos de dentro das pedreiras.

ESQUEMA
Até agora, todas as ocorrências de explosão a caixas eletrônicos ocorreram em cidades consideradas pequenas e tranquilas. Eles observam o dia em que há menor policiamento no local, pegando a polícia e a sociedade desprevenidas. “Seria arriscado demais agir em cidades com aparato policial muito grande, como Ipatinga e Fabriciano. Então escolhem cidades menores, onde o policiamento é muito menor, aproveitam de que a cidade possui apenas uma entrada e saída, facilitando a fuga”, esclarece.

ESTUDO
O policial destaca que existe uma organização para que o crime seja praticado. Os bandidos aproveitam data de pagamento de servidor público, já que os caixas eletrônicos são abastecidos na véspera para facilitar o pagamento.
João Luiz acredita que os criminosos escolhem as cidades alvo e ficam um tempo por lá “estudando” a movimentação bancária e a vida da população. “A gente até orienta aos órgãos, como banco e prefeituras que se sentem vulneráveis nessas datas do mês, que entrem em contato com as polícias civil e militar para pedir reforço de policiamento”, alerta.

INVESTIGAÇÃO
Conforme já foi publicado pelo DIÁRIO POPULAR em edições anteriores, a Polícia Civil ainda não tem a autoria dos roubos praticados a caixas eletrônicos na região. O delegado afirma que é muito remota a chance de os bandidos serem da região. “O que eu posso dizer é que o uso de dinamite para explodir caixas eletrônicos não é coisa que seria praticada por uma quadrilha ou grupo criminoso da região, dada a dificuldade para conseguir os explosivos”, finaliza o delegado.


“Eles escolhem cidades menores, onde o
policiamento é menor”, acredita o delegado

 

Você também pode gostar