Cultura

Psicólogo lança livro sobre família

O livro ‘Minha família pode ser feliz’ é a terceira obra do autor Cleydemir Santos   (Foto: Nadieli Sathler)

 

IPATINGA – Em tempos de alta incidência de divórcios, o psicólogo Cleydemir Santos decidiu incentivar homens e mulheres a investirem nos relacionamento e manter o núcleo familiar.
No livro “Minha família pode ser feliz”, lançado nesta sexta-feira (4), na Livraria Leitura, o autor estimula os cônjuges a manter os laços do matrimônio. Cleydemir Santos defende que é preciso ter arrependimentos nos relacionamentos.
“Arrepender é mais do que perdão. É um processo que no relacionamento conjugal passa por três etapas: observar, refletir e discutir. Os casais mais antigos se suportavam. A juventude de hoje não tem mais essa paciência para construir a cumplicidade”, observou.
Sem ignorar as grandes mudanças que o espaço familiar enfrenta atualmente, o psicólogo acredita que é possível preservar o que realmente importa. Os problemas que rondam as famílias muitas vezes são o envolvimento de filhos com drogas, crises financeiras, entre outros.
“O que desejo é que acreditemos nos relacionamentos familiares. Que toda família crie para si uma utopia a conquistar, em que os valores internos sejam coerentes com a vontade de Deus, mesmo que o modelo seja diferente do da poesia que me ensinaram quando criança”, explicou.
Para o psicólogo terapeuta de casais e de família, Carlos Catito Grzybowski (autor do prefácio do livro de Cleydemir), “ao intercalar situações observadas por meio da experiência clínica com as belas interpretações dos relacionamentos familiares da Bíblia, o autor constrói, com magistral competência, a ideia de que a felicidade depende diretamente do investimento realizado na construção da relação, que é dinâmica e necessita de atenção e cuidados diários”.
Cleydemir acredita que uma família feliz é uma questão de fé. “É preciso crer, desejar e trabalhar em busca deste resultado, investir no relacionamento. A fé que sustenta relacionamentos não é abstrata nem aguarda simplesmente uma melhora futura; ela é dinâmica, responsável, viva e cuidadosa”, comentou.
“O amor é claramente caracterizado como um comportamento, e não um sentimento. Amar a quem escolhi, e não escolher para amar, leva a uma matemática interessante, em que a intenção é muito pouco: “intenção – ação = nada; intenção + ação = vontade”. Ter vontade é um bom começo. Infelizmente esse começo tem faltado nos relacionamentos”, finalizou.

SERVIÇO

‘Minha família pode ser feliz’ pode ser encontrado na Livraria Leitura (R$ 20) ou pelo site da Editora Ultimato no endereço eletrônico www.ultimato.com.br.

Você também pode gostar