Cidades

Professores entram em greve

Categoria decidiu paralisar as atividades até que a Prefeitura envie revisão de plano de carreira ao Legislativo

 

IPATINGA – Os professores da rede municipal de ensino decretaram greve por tempo indeterminado na tarde de ontem (29). O motivo é o atraso da Prefeitura para enviar o novo plano de carreira para o Legislativo. “A revisão do plano de carreira já foi feita pelos próprios professores, mas a administração ainda não enviou o projeto para ser votado na Câmara. A última promessa que eles nos fizeram foi que o plano seria enviado até amanhã (hoje). Mas ainda assim a classe decidiu na quarta-feira (28), durante assembleia, que a greve seria iniciada para pressionarmos o governo”, explicou a coordenadora geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Ipatinga (Sind-UTE), Feliciana Saldanha.

ACORDO

Após a última greve dos professores, no ano passado, um acordo foi firmado com os professores, em agosto. A paralisação durou 62 dias. Entre os termos que puseram fim à greve, estava prevista uma revisão no plano de carreira da classe.
A Prefeitura se comprometeu a elaborar o plano de carreira e enviar ao Legislativo para votação até o mês de fevereiro. Devido ao atraso na elaboração do plano, os professores se reuniram e apresentaram uma proposta para a administração municipal, no início do ano. “Eles aceitaram o nosso plano de carreira, mas alguns ajustes têm que ser feitos. A Prefeitura está enrolando para finalizar. O último encontro que tivemos com o Executivo deveria ser para terminar tudo, mas novamente o que eles nos apresentaram não foi satisfatório”, contou Feliciana.

IMPASSE
Ainda segundo ela, a Prefeitura não conseguiu modificar um ponto importante: “O texto do plano está pronto, mas faltam o enquadramento correto dos cargos e as informações sobre o impacto na folha de pagamento da educação. Isso vai dizer quanto o novo plano vai custar para a Prefeitura. E o que eles nos apresentaram é que os gastos com educação são mesmos que outros departamentos e isso a gente sabe que não é verdade”, considerou a coordenadora geral do Sind-UTE.
De acordo com Feliciana, a administração informou que um terço da folha de pagamento da Prefeitura é direcionada à educação. “O valor que apresentaram não está certo. A Prefeitura gasta um valor diferenciado com outros profissionais”, afirmou Feliciana.
A classe informou que a Prefeitura irá apresentar um novo enquadramento do plano de trabalho. E caso a nova mudança seja aceita, os professores realizarão uma assembleia para decidir se retornam às atividades.

LEGISLATIVO

Os professores esperam contar com a ajuda do Legislativo caso a Prefeitura resolva o impasse do plano de carreira e encaminhe à Câmara para votação. O presidente da Câmara de Ipatinga, Nardyello Rocha (PSD), garantiu que tão logo o Executivo envie o projeto à Casa, a votação será agendada.

PMI diz que foi pega de surpresa
Ipatinga
– O Governo Robson afirmou não concordar com a postura grevista da categoria. “As negociações quanto ao plano de carreira estavam sendo intensas. Fomos pegos de surpresa com essa greve anunciada pela classe. Recebemos um documento de estado de greve, mas como as negociações estavam avançadas, a gente não imaginava que aconteceria a greve”, declarou o secretário de educação Maurício Mayrink.
Ainda segundo ele, a greve dificulta as negociações. “As relações e as conversas ficam mais difíceis com os professores em greve. Essa atitude foi tomada antes de as negociações terminarem. Esperamos que a classe volte ao trabalho o mais rápido possível para que possamos voltar a negociar o quanto antes”, concluiu Maurício.

Categoria ainda mobiliza escolas
Ipatinga-
O primeiro dia de greve não alcançou adesão de escolas da rede municipal. Mas duas das maiores escolas da cidade conseguiram mobilizar 100% dos professores. Foi o caso da Escola Municipal Vilma de Farias da Silva e da Escola Municipal Arthur Bernardes. “Infelizmente não acreditamos mais nessa administração porque já nos fizeram várias promessas que não foram cumpridas e vários termos sindicais também não estão sendo cumpridos. Por isso todos os professores da nossa escola estão em greve”, informou Renata Cláudia Ribeiro, professora da Escola Municipal Vilma de Farias da Silva.
Segundo Feliciana Saldanha, um grupo de professores aproveitou a quinta-feira (29) para visitar escolas que não aderiram à paralisação.

GOVERNO ANUNCIA REAJUSTE DE 9,12%
IPATINGA
– A Prefeitura Municipal anunciou reajuste de 9,12% aos profissionais em educação. O projeto de Lei será enviado para votação nesta sexta-feira (30). Para o governo, esta é mais uma forma de valorizar a classe, além de outros inúmeros avanços alcançados na atual administração. Outro benefício é o reajuste no vale alimentação, que irá aumentar de R$ 150 para R$ 180. Diretor e vice das 37 escolas públicas municipais também vão passar a receber o benefício. “Este reajuste no salário e no vale alimentação não é o único benefício concedido pelo prefeito Robson Gomes (PPS). Os professores passaram a ter seis horas de coordenação, onde ficam por conta da preparação das aulas, receberam diversos treinamentos e cursos de capacitação e conseguimos ainda oferecer melhor infraestrutura no trabalho”, frisa o secretário de Educação, Maurício Mayrink.


Sind-UTE procurou a Câmara para pedir apoio na votação do projeto

Você também pode gostar