Policia

Policiais são presos após trocar tiros com bandidos

Major explica que militares agiram amparados pela lei

 

IPATINGA – Quatro policiais militares foram detidos no 14º Batalhão de Polícia Militar, com sede em Ipatinga, na madrugada de ontem (20), acusados de tentativa de homicídio. Os policiais foram presos depois de uma perseguição policial que terminou com troca de tiros entre bandidos e policiais.
De acordo com o Boletim de Ocorrência, dois PMs que faziam patrulhamento tentaram abordar dois indivíduos em atitude suspeita numa motocicleta, no bairro Canãazinho. Os suspeitos desobedeceram à ordem de parada dos policiais e fugiram em direção ao bairro Caravelas.
Consta no relato que durante a perseguição policial, W.R.R.S., 26 anos, conhecido pelo apelido de “Amarelinho”, que estava na garupa da motocicleta, efetuou vários tiros contra os policias militares – um dos disparos acertou o para-choque dianteiro da viatura.
Os militares revidaram com tiros que atingiram W. nas nádegas. Os dois criminosos foram abordados na rua Passo Fundo, no Caravelas. Foram apreendidos com eles um revólver calibre 38, da marca Taurus, e um rádio de comunicação de uso restrito da polícia. O autor, ferido, foi encaminhado pelo SAMU ao Hospital Márcio Cunha, onde recebeu cuidados médicos, ficando também sob escolta policial. O outro autor, M.D., foi conduzido à Delegacia de Plantão no Centro de Ipatinga.
Durante a ocorrência, um motorista da empresa Gontijo ligou para a Central de Operações da PM dizendo que quando transitava pela BR-381 – nas proximidades da rua Passo Fundo – sentido a BH, com 19 passageiros, o veículo foi atingido por uma bala perdida, provocando o estrago de uma das janelas.

PMs PRESOS
A arma utilizada pelo PM, uma pistola.40, da marca Imbel, foi recolhida ao 14º BPM juntamente com dois carregadores e 25 munições intactas calibre.40. Foi dada voz de prisão aos dois militares, apresentados ao Comando da PM. Eles foram ouvidos e liberados.

Prisão de policiais está dentro da lei
Ipatinga
– Em entrevista o DIÁRIO POPULAR, por telefone, o Major Leôncio Botelho, assessor de comunicação da 12º Região de Polícia Militar, disse que a prisão dos policiais é um procedimento normal dentro da corporação e previsto em lei.
O policial esclarece que o artigo 23 do Código Penal explica que os militares agiram amparados por causas excludentes de ilicitude, como cumprimento do dever legal, legítima defesa própria e estado de necessidade. “O procedimento legal da polícia é autuar os PMs em flagrante pelo crime de homicídio tentado, porém estão amparados pelo Código Penal, ou seja, eles foram ouvidos, no entanto, já foram colocados em liberdade e os autos serão encaminhados à justiça militar, onde serão julgados posteriormente pela ação deles. Com certeza eles serão absolvidos”, esclarece o Major.

Avanço
O major lembra que já foi um avanço dentro da Justiça Militar, porque antigamente, quando o policial agia conforme atuaram os policiais citados na reportagem, os militares ficavam presos dentro do quartel aguardando a liberação do juiz de plantão. “Foi feito um acordo com a Justiça Militar que, quando o militar cometesse um crime, amparado pelo artigo 23 do Código Penal, o comando do batalhão pode liberar o policial após ele ser ouvido e aguardar o julgamento em liberdade”, pontua, acrescentando que a carreira dos militares não será prejudicada. “Se ação dele em serviço foi considerada legal, não há impedimento nenhum na carreira dele. Ele não fica impedido de fazer curso, de ser promovido, porque a própria administração militar se encarrega de adotar as providências para formalizar a situação, fazendo com que ele não fique prejudicado em sua carreira”, finaliza o Major Leôncio.

Perseguição também termina com PMs presos em Timóteo
Timóteo
– Outros dois policiais militares foram detidos após uma perseguição policial em Timóteo. Eles estavam atrás de dois indivíduos que roubaram uma motocicleta na avenida Tancredo de Almeida Neves, no bairro Caladinho, na última quarta-feira (19) para realizarem assaltos.
Durante o rastreamento, policiais que compunham a guarnição da PM em Cachoeira do Vale avistaram o veículo em fuga rumo ao bairro Petrópolis. Segundo relato da Polícia Militar, duas guarnições já estavam posicionadas em locais diferentes no bairro Novo Tempo, na tentativa de pegar os ladrões.
Um dos policiais que foi detido deparou com a motocicleta e seus dois ocupantes e ordenou que o piloto da moto parasse. O condutor desobedeceu à ordem do policial, momento em que o carona da motocicleta apontou uma arma em direção à guarnição. O militar, temendo reação por parte de um dos criminosos, efetuou um disparo contra os indivíduos, que mesmo assim continuaram a fugir.
Consta no relato que o PM comunicou por rádio que um dos suspeitos estava armado. Depois disso, os acusados foram vistos por outra guarnição da PM, comandada por um sargento. A polícia ordenou que os indivíduos parassem o veículo, momento que o mesmo autor apontou a arma para os policiais e o piloto da motocicleta avançou o veículo em alta velocidade em direção aos policiais.
Um dos PMs, que estava na guarnição, um soldado, no intuito de repelir a injusta agressão por parte dos bandidos, atirou contra eles, que ainda continuaram a fugir, desta vez sentido ao bairro Ana Moura.

Prisões
As viaturas de Timóteo, auxiliadas pelas de Coronel Fabriciano, continuaram a perseguição, e receberam denúncia anônima de que os indivíduos teriam seguido rumo ao Córrego Pelonha, onde a motocicleta foi encontrada. No meio de matagal, a PM localizou os dois bandidos e constataram que um deles estava com dois ferimentos na perna esquerda, sendo levado pelos militares ao Hospital Vital Brazil, onde foi constatado que os ferimentos da vítima haviam sido provocados por disparos de arma de fogo.
Com os autores foi encontrada uma pistola da marca Imbel calibre 380 com um carregador municiado com três munições intactas. Um dos autores assumiu o porte e propriedade da arma, e disse que a motocicleta que utilizaram na fuga é a mesma que foi roubada no bairro Caladinho. Segundo consta no sistema da polícia, os dois autores já possuem passagem pela polícia pelos crimes de furto, falsificação de documento e roubo.
Ao encerramento dos fatos, o Comandante da 85ª Cia da Polícia Militar, em Timóteo, o subtenente Manoel, deu voz de prisão aos policiais militares que efetuaram os disparos durante a perseguição policial e foram apresentados ao comando do 14° Batalhão de Polícia Militar. Eles também foram ouvidos e liberados.

Você também pode gostar