Policia

PC conclui investigações sobre morte de frentista

Em fevereiro, Kleber (ainda menor) foi apreendido pela PC, quando confessou homicídio na Serra dos Cocais; com a mesma camisa, Kleber (D) foi indiciado por outro homicídio   (Crédito das fotos: Gizelle Ferreira)

 

FABRICIANO – A Polícia Civil de Fabriciano concluiu as investigações sobre o assassinato do frentista Sidney Calais de Cássia, 21 anos. O rapaz foi morto com três tiros no último dia 16 de março, enquanto trabalhava em um posto de combustível no bairro Santa Cruz.
O inquérito já foi remetido ao Ministério Público. Consta da peça que os principais suspeitos pela morte do frentista são Rafael Souza Martins, 21 anos, conhecido como “Rafinha Cuspidor”, e Kleber Rodrigues do Carmo, 18 anos. Os dois foram presos no mesmo dia do crime pela Polícia Militar.
A PM desconfiou da dupla porque horas antes do homicídio, Rafael teria sido visto pela vítima rondando o posto. Sidney teria comentado com um colega de trabalho que estaria devendo dinheiro de drogas para Rafael.
Momentos depois, dois indivíduos retornaram ao local, vestidos com capas de chuva em uma motocicleta, quando um deles efetuou o disparo contra a vítima. No local do assassinato, a perícia da Polícia Civil recolheu cápsulas de projéteis calibre 38.
Os suspeitos foram encontrados em uma casa no bairro Frederico Ozanan, local onde foram apreendidas duas capas de chuvas ainda molhadas, um revólver calibre.32, maconha, um relógio, R$ 135 em dinheiro e várias munições.

REINCIDÊNCIA
O que chama a atenção neste caso é que Kleber Rodrigues do Carmo, então com 17 anos, foi apreendido em fevereiro deste ano, após confessar ter matado a tiros Veridiano Monteiro, no dia 26 de fevereiro, em uma estrada próxima à Serra dos Cocais.
O menor, na época, ficou à disposição da justiça e acabou retornando às ruas. Um mês depois, já com 18 anos completos, Kleber é preso outra vez, acusado de cometer outro homicídio. Coincidentemente, nas duas vezes em que Kleber foi detido, ele usava a mesma camisa em tons de amarelo e verde.
À reportagem do DIÁRIO POPULAR, o rapaz contou com detalhes como matou Veridiano. Sobre a morte do frentista, Kleber negou qualquer participação. “Estávamos na casa de um colega, quando a polícia chegou e nos abordou. Não tenho nada a ver com este crime”, disse, confirmando ter cometido o homicídio ainda quando era menor.

 

 

Você também pode gostar