Nacionais

Para Aécio, nova equipe econômica representa um “estelionato eleitoral”

BRASÍLIA – O anúncio definitivo ontem (27), da nova equipe econômica para o próximo mandato da presidenta Dilma Rousseff provocou repercussões diversas no Congresso Nacional. Para a oposição, a escolha de Joaquim Levy para a Fazenda, Nelson Barbosa para o Planejamento e a manutenção de Alexandre Tombini no Banco Central representa um “estelionato eleitoral” por parte da presidenta. Já os governistas elogiaram as indicações e rebateram as críticas.
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), candidato derrotado à Presidência da República, considerou a escolha uma tentativa de acalmar o mercado financeiro. No entanto, Aécio, destacou que outras manobras fiscais da presidenta acabam levando o país ao descrédito, como a tentativa de rever a meta de superávit para este ano.
“A presidenta escolheu novos nomes para a área econômica do governo tentando acalmar o mercado e recuperar a credibilidade perdida. Mas, ao mesmo tempo, protagoniza no Congresso mais um violento ataque à credibilidade do país, ao afrontar a Lei de Responsabilidade Fiscal, alterando as metas de superávit e usando como moeda de troca os cargos públicos de sempre”, afirmou.
O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE), ressaltou que as escolhas de Dilma representam o oposto do que ela prometeu ao longo da campanha eleitoral. A ortodoxia econômica associada aos novos ministros, na opinião de Mendonça, era o que Dilma criticava em seu principal adversário, o senador Aécio Neves.
“Cada atitude da presidente nesse pós-período eleitoral mostra que ela iludiu os brasileiros. Os juros subiram, a inflação bate o teto da meta, corroendo o poder de compra do povo, e agora empossará um ministro da Fazenda ortodoxo para administrar o rombo nas contas do governo. Dilma age totalmente diferente do seu discurso de campanha”, declarou o líder democrata.

Você também pode gostar