Cultura

Obra inspirada em romance de Suassuna é encenada em Ipatinga

Inspirada nos circos e danças populares, os nove atores e dois músicos contam uma divertida história   (Crédito: Cabera)

 

(Da Redação) – Quem não se lembra de Quaderna, o narrador do romance “A Pedra do Reino”, do escritor e dramaturgo paraibano Ariano Suassuna? Pois ele está de volta, e, desta vez, ao teatro. A peça “As Conchambranças de Quaderna”, com direção da atriz e cantora Inez Viana, chega a Ipatinga, nos dias 2 e 3 de maio, no Teatro Zélia Olguin.
São duas peças numa só, ligadas por um mesmo narrador, Dom Pedro Diniz Quaderna. A primeira, “Casamento Com Cigano Pelo Meio”, conta a saga de duas irmãs prometidas em casamento, em que o noivo de uma delas, no dia do matrimônio, resolve que quer se casar com a outra, criando uma grande confusão. Já a segunda história, “A Caseira e a Catarina”, fala de uma mulher traída pelo marido, que faz um pacto com o Diabo e pede para que ele leve o traidor e sua amante para o inferno. Quaderna, então, se disfarça de Diabo e, além de criar muitas “conchambranças”, revela um final surpreendente.
Leonardo Brício, que vive Davi na minissérie Rei Davi, da Record, é a estrela da peça e interpreta Quaderna sem cair na caricatura do nordestino. Além dele, a peça ainda conta com um elenco de primeira: Débora Lamm, Dani Barros, Souzedo, Iano Salomão, Diogo Camargos, Zé Wendel, Junior Dantas e Viviane Câmara.
Inspirada nos circos e danças populares, os nove atores e dois músicos contam essa divertida história, num ritmo próprio, ajudado por painéis que deixam e tiram os atores de cena, como num passe de mágica, criando um efeito visual surpreendente.

VERSÁTIL
Ariano Suassuna é uma dos mais importantes referências da literatura brasileira. Fundador do “Movimento Armorial”, Ariano tem sua obra permeada por valores e personagens da cultura popular nordestina e de clássicos da literatura.
Suassuna escreveu “As Conchambranças de Quaderna” em 1987, após um afastamento de vinte e cinco anos do teatro. Tal afastamento iniciou-se em 1962, quando concluiu “A Caseira e a Catarina”, peça em um ato, montada pelo Teatro Popular do Nordeste, sob direção de Hermilo Borba Filho. A partir daí, o autor passou a dedicar-se a uma trilogia de romances com os títulos: “A Maravilhosa Desaventura de Quaderna”, “O Decifrador” e o “Romance d’A Pedra do Reino”, escrito de 1958 a 1970.
O Quaderna que sobe ao palco, portanto, é o mesmo personagem-narrador de “A Pedra do Reino”. Dom Pedro Dinis Ferreira-Quaderna, ou simplesmente Pedro Quaderna, rei e palhaço, misto de Quixote e Sancho, astrólogo, charadista, escritor de folhetos, bibliotecário, dono de circo, intelectual sertanejo megalomaníaco, divertido e sedutor. Ele representa o sertanejo que se vale da astúcia para sobreviver, alcançar alguma notoriedade e adquirir certas vantagens no seu mundo de senhores de terras, cangaceiros, boiadeiros, ciganos, catarinas e moças donzelas doidas para casar. Um dos personagens mais complexos da literatura brasileira.

AS CONCHAMBRANÇAS DE QUADERNA
Data: 02 e 03 de maio, às 20h
Ingressos: R$ 20 (inteira)/R$ 10 (meia entrada)
Local: Teatro Zélia Olguin – Av. Itália, 1890, Cariru, Ipatinga


Leonardo Brício, que vive Davi na minissérie Rei Davi, é a estrela da peça

Você também pode gostar