Cidades

Ipatinga mostra recuperação na geração de empregos em janeiro

IPATINGA – O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou nesta terça-feira (26) dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), referentes à geração de emprego no mês de janeiro deste ano em todo o Brasil. Ipatinga fechou o período com saldo positivo de 628 empregos, valor bem acima do que o que foi divulgado em dezembro do ano passado, quando a cidade apresentou um fechamento de 965 postos de trabalho.

A grande recuperação foi puxada pela construção civil, que empregou mais de 2 mil profissionais no mês passado e apresentou saldo positivo de 1.044 vagas. No entanto, todos os outros setores analisados pelo Caged (indústria da transformação, extrativista, serviços industriais de utilidade pública, comércio, serviços, administração pública e agropecuária) fecharam o mês de janeiro com saldo negativo. No comércio, por exemplo, foram contratadas 829 pessoas, mas 978 foram demitidas. Com a indústria da transformação, ocorreu algo semelhante: foram 965 demissões contra apenas 757 admissões.

Segundo o levantamento, no início deste ano, havia na cidade 68.052 pessoas empregadas com carteira assinada. Na micro região de Ipatinga, que engloba municípios do Vale do Aço e colar metropolitano, eram mais de 112 mil pessoas trabalhando e, em todo Estado, 4 milhões estavam empregadas no mercado de trabalho formal.
Os números de janeiro colocaram Ipatinga em quarto lugar no ranking das cidades mineiras com mais de 30 mil habitantes que abriram mais postos de trabalho no Estado, atrás apenas dos municípios de Belo Horizonte, Contagem e Nova Serrana.

No entanto, os resultados não foram igualmente positivos para Timóteo e Coronel Fabriciano. A capital do inox ficou em 99º lugar na tabela por registrar 943 demissões e 575 contratações, o que gerou um saldo negativo de 368 vagas. Fabriciano aparece em 84º lugar, com 68 postos de trabalho a menos na cidade.

COMÉRCIO
Tanto em Ipatinga, quanto Fabriciano e Timóteo, o comércio apresentou um resultado bem abaixo das expectativas, puxando a média geral para baixo. Enquanto Timóteo apresentou 206 desligamentos no setor, Coronel Fabriciano registrou 346 demissões.

Para o presidente da Associação Comercial de Ipatinga (Aciapi), Márcio Penna, os números do comércio informados pelo Caged podem estar atrelados ao período natalino, quando muitos lojistas, aproveitando o momento de boas vendas do fim de ano, realizaram contratações temporárias para suprir as necessidades da data. Com o passar das festas e diminuição no movimento, os comerciários reduziram o quadro de funcionários. “Janeiro é quando os comerciantes demitem os funcionários contratados no natal. Então é normal que haja um ajuste reajuste das empresas e dos números”, avaliou Márcio.

Ele também citou o delicado momento econômico por que passa a região e as indefinições quanto ao futuro da Usiminas, afirmando que estes fatores também podem ter influenciado no resultado negativo de janeiro no setor comercial.

BRASIL
Os dados do Caged apontam ainda que o mercado de trabalho brasileiro começou o ano enfraquecido, com um saldo de 28.900 cargos gerados contra 180.630 postos criados em janeiro de 2012. Os números não passaram ainda por ajustes do Ministério do Trabalho e podem aumentar se houver entrega de informações sobre mercado de trabalho formal fora do prazo por parte dos empregadores.

Conforme apontado pelo Caged, o resultado de janeiro no Brasil mostrou um crescimento na geração de empregos por parte da indústria de transformação e do setor de serviços e os saldos positivos compensaram a queda na taxa de empregabilidade dos ramos da construção civil e do comércio. Este último foi o responsável pela redução de 1.284 postos em todo o país.

Você também pode gostar