Cidades

HMC realiza Simpósio de Transplante Renal

Equipe da Unidade de Transplantes do Hospital Márcio Cunha

IPATINGA
– Médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, entre outros profissionais da saúde que atuam em diversos hospitais do Leste de Minas estarão presentes nesta sexta-feira, às 19 horas, no auditório do Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga, para o III Simpósio de Transplante Renal do HMC. Com foco nos avanços empreendidos nessa área e nas comemorações da marca de 400 transplantes realizados pelo HMC – alcançada em 2016 – o evento valoriza a consolidação do serviço na região.

VANGUARDA
A programação inclui a apresentação de resultados da Unidade de Transplante Renal do HMC; a contextualização sobre serviço em Minas Gerais atualmente; e contará ainda com a presença do Dr. Leon Soares Júnior, médico nefrologista do Hospital Bandeirantes, de São Paulo, que abordará a História evolutiva do Transplante Renal e Imunossupressão.

“Único centro de transplantes da Regional Leste do estado, o Hospital Márcio Cunha assume uma posição de vanguarda hoje, por estar equiparado aos grandes centros transplantadores de Minas e do Brasil, tanto em termos de qualificação técnico-científica dos profissionais quanto de investimentos em novas tecnologias e da realização de pesquisas na área”, ressalta o Dr. Carlos Alberto Calazans, gerente do Centro de Terapia Renal Substitutiva e Coordenador do Serviço de Transplantes do HMC.

TRANSPLANTES
Além de contribuir para longevidade e a melhoria da qualidade de vida dos pacientes, o papel de destaque nacional do hospital em transplantes renais pode ser evidenciado também em números. Já são 413 transplantes realizados até hoje, sendo 313 na última década – 30 no primeiro semestre deste ano. Entre os indicadores de qualidade, a taxa de sobrevida dos pacientes transplantados no primeiro ano é de 95,4% e, no segundo, de 89,7%, comparáveis a dos melhores hospitais do país e do mundo.

Hospital é referência em nefrologia

A evolução do Hospital Márcio Cunha na área de Nefrologia transformou a instituição em referência para mais de 800 mil habitantes nas últimas décadas. Principalmente após a descentralização do serviço de hemodiálise pelo Governo do Estado, que trouxe alívio para pacientes do Vale do Aço, que até então precisavam se deslocar até Belo Horizonte para realizar o tratamento hemodialítico.

Investimentos da Fundação São Francisco Xavier, entidade que administra o hospital, na expansão da infraestrutura e na capacitação de uma equipe multidisciplinar credenciaram o Márcio Cunha junto ao Ministério da Saúde como centro credenciado para captação de rins, em 1987, e transplantes renais, em 1992, ano da realização no primeiro paciente.

Na década seguinte, com a inauguração do Centro de Terapia Renal Substitutiva e, em 2006, com a referencialização do hospital pelo SUS como Centro Transplantador da Regional Leste, o Hospital Márcio Cunha tornou-se referência em transplantes renais para pacientes de Vale do Aço, Caratinga, Manhuaçu, Governador Valadares, Teófilo Otoni e Itaobim.
“Hoje, visualizamos o resultado desses investimentos e do incremento nos serviços em números expressivos. Se de 1992 a 2006 foram realizados 100 transplantes renais, a partir de 2007 até os dias atuais, nós conseguimos quadruplicar esse número”, resume o Dr. Mauro Oscar Souza Lima, superintendente Geral de Hospitais da FSFX.

Você também pode gostar