Cidades

Ex-procurador aponta erro em relatório

José Geraldo afirmou que foi citado erroneamente em relatório da CPI da Urbis: “não fui intimado nem ouvido pela comissão”

 

IPATINGA – O advogado e ex-procurador do município no Governo Robson, José Geraldo Nunes, afirmou que houve falsificação de documentos no relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou o contrato entre a empresa capixaba Urbis e a Prefeitura de Ipatinga.
O ex-procurador deixou o cargo no dia 18 de abril de 2011. Contudo, na transcrição de um despacho feito pela comissão, datado de 10 de maio de 2011, o nome de José Geraldo foi citado no lugar do atual procurador municipal Heyder Torre.
“Eles erraram quando mudaram o teor do despacho, já não respondia mais como procurador do município naquele período. Para mim isso configura em fraude”, denunciou José Geraldo.
A reportagem confirmou o erro, verificando os documentos. O despacho utilizado no relatório final da CPI, atribuído a José Geraldo, não é do ex-procurador.
“Não houve uma transcrição da verdade, houve a falsificação de um despacho para dar forma ao relatório, para justificar a minha presença na CPI. Não fui intimado em momento algum e muito menos ouvido. O único lugar que tem o meu nome é na citação desse despacho”, alegou. O advogado foi indicado, no final dos trabalhos, como responsável pelas irregularidades encontradas na contratação da Urbis.

OUTRO LADO
O relator da CPI, vereador Nilson Lucas (PMD), informou que o indiciamento de José Geraldo se deu por omissão, já que ele era procurador geral quando o município foi autuado pela Receita Federal e recebeu uma multa de R$ 13 milhões.
“Qualquer questionamento ou alguma irregularidade que venha ter no relatório final da CPI, ele pode tomar as medidas que julgar necessárias”, disse o parlamentar.

Você também pode gostar