Cidades

Em audiência pública, mãe de vítima relata drama familiar

IPATINGA – A Câmara Municipal realizou audiência pública para discutir com os diversos segmentos da comunidade questões relativas ao combate à pedofilia em Ipatinga. A audiência pública foi requerida pela Comissão de Permanente de Educação, Cultura, Esporte e Lazer do Legislativo, presidida pelo vereador Ademir Cláudio (DEM) e composta também pelos vereadores Roberto Carlos (PT do B), vice-presidente, e Juarez Pires (PT), relator.

O evento contou com a participação de diversas autoridades, como o vice-prefeito e secretário de Segurança Pública, coronel Alfredo Ramalho, a delegada da Infância e Juventude, Lívia Athayde Oliveira, o secretário de Assistência Social, Vasconcelo Lagares, a representante do Conselho Tutelar, Lucimara Machado, e a representante da sociedade civil, Ione Tofanelli.

TESTEMUNHO
Um dos momentos mais marcantes da noite foi o depoimento prestado pela senhora Mary Sueli Pereira, mãe de uma vítima da pedofilia. Ela contou toda a situação que envolveu sua filha, assediada por um médico que frequentava sua casa como amigo da família. Os abusos aconteceram quando a menina tinha entre 11 e 13 anos de idade.

Como acontece na maioria dos casos, a jovem teve medo de denunciar o criminoso e o problema só foi revelado em 2011, quando a menina já estava com 18 anos e o médico voltou a importuná-la. Denunciado pela família, o acusado foi identificado por outras vítimas e acabou condenado pela justiça.

Segundo Mary Sueli, o médico foi condenado em primeira instância a mais de 23 anos e sete meses de prisão, mas entrou com recurso e encontra-se em liberdade. O depoimento foi dramático e chegou a emocionar os presentes.

SEM CLASSE
O vereador Roberto Carlos, vice-presidente da Comissão de Educação, destacou que a pedofilia não escolhe classe social e que todas as famílias estão sujeitas ao problema. “Recentemente vimos nos jornais a condenação deste médico acusado de pedofilia. Nas páginas policiais dos jornais não é um caso ou outro que vemos. E aqueles que são pais de crianças pequenas sentem mais esse problema, pois ficam imaginando que esta situação pode acontecer com os seus filhos.”

Roberto Carlos sugeriu que a discussão levantada pelo vereador Ademir, por meio da Comissão de Educação da Câmara, seja levada para dentro de outras escolas, das empresas, clubes de serviços e igrejas de todas as denominações, dando o resultadofruto que a sociedade exige: o fim do abuso.

AMPLIAÇÃO
Relator da Comissão de Educação, o vereador Juarez Pires disse que é muito importante a realização de audiências públicas como a que foi proposta pelo vereador Ademir Cláudio. “Espero que eventos como este aconteçam em outros bairros da cidade, como no meu, o Bom Jardim. O município é grande e temos problemas em muitos lugares. Sabemos disso porque já participamos da Pastoral Familiar, fomos agentes do movimento em favor das crianças e adolescentes e atuamos junto a creches do Bom Jardim. Muitas vezes fomos procurados por familiares de crianças que foram vítimas desse crime. Por isso a importância de discussões como esta que acontece hoje.”

CAMPANHA
Para o secretário municipal de Assistência Social, Vasconcelo Lagares, o tema da pedofilia é muito importante e deve ser discutido em todos os espaços da cidade. Segundo ele, juntamente com o Conselho Tutelar e o CMDCA, está sendo desenvolvida pela Prefeitura, desde o mês de julho, a campanha “Violência contra a criança e o adolescente, não!”.
“Das diferentes formas de violência que nós temos, a pedofilia é uma das mais brutais e fica muito silenciosa às vezes. Temos que romper o silêncio, discutir e falar sobre o problema”, disse o secretário.

Câmara de Fabriciano debate
hoje Violência contra a Mulher
FABRICIANO – O tema “Violência contra a Mulher” será discutido em Audiência Pública no plenário da Câmara Municipal de Coronel Fabriciano (CMCF) nesta quinta-feira (21), às 14h. A realização do debate atende ao Requerimento nº 268/2013, de autoria dos vereadores Serjão do Casib (PT) e Xingozinho (PP).
Para o encontro, aberto ao público, foram confirmadas as presenças da prefeita Rosângela Mendes (PT); da delegada de Mulheres de Fabriciano, Tereza Júlia do Nascimento; da delegada de Mulheres de Ipatinga, Lívia Athayde Oliveira; da secretária municipal de Assistência Social, Júlia Restori; de representantes da Polícia Militar, entre outras lideranças da sociedade civil organizada.

Você também pode gostar