Cidades

Eletricitários ameaçam parar Sá Carvalho na próxima terça-feira

A usina de Sá Carvalho está em funcionamento desde 1951  (Créditos: Sindieletro)

IPATINGA
– A usina Sá Carvalho, localizada em Antônio Dias, no Vale do Aço, está em operação desde 1951, mas a falta de respeito com que a Cemig está tratando os eletricitários levou os trabalhadores a deflagrarem a primeira greve da história da usina. A data-base dos eletricitários venceu em fevereiro, mas a empresa encerrou unilateralmente as negociações para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho. Diante do impasse, na assembleia realizada na terça-feira (14) os trabalhadores deliberaram sobre a greve por tempo indeterminado a partir do dia 21 de junho.

Na pauta de reivindicações entregue à direção da empresa, os trabalhadores pedem 1,5% de aumento real, mas a Cemig rejeita o índice e não fez qualquer contraproposta para a reposição das perdas salariais.
“Enquanto a Cemig aprova aumento salarial exorbitante para a diretoria e conselheiros e amplia o limite de gastos com viagens no cartão corporativo para a toda direção, adota a política de arrocho para os eletricitários”, diz o Sindicato dos Eletricitários.

Os trabalhadores estão há dois anos sem Acordo Coletivo. Na renovação do ACT 2015/2016, a estatal alegou dificuldades em prosseguir com as negociações por causa da greve dos eletricitários da Cemig, que durou 54 dias.

Você também pode gostar