Cultura

Crianças botam a ‘mão na massa’ para fixar informações no cérebro

A analista de sistemas Sirley Gonçalves e o filho Guilherme Gonçalves estão testando o método originário dos Estados Unidos

 

IPATINGA – No mês em que se estuda o “Planeta Terra”, os alunos do Espaço FasTracKids Ipatinga construirão um vulcão, com direito a ‘erupções’. Nos últimos dois meses, quando o módulo estudado era “Criatividade”, as crianças também botaram a mão na massa, confeccionando diversos objetos manuais para fixarem no cérebro os conceitos aprendidos na lousa digital interativa. Foram feitos iglus, totens, espantalhos, aquários, palafitas e até hortas.
O método FasTracKids intercala atividades práticas com tecnologias de ponta ao que existe de mais moderno em pedagogia infantil. Tudo com objetivo de aproveitar ao máximo a fase dos ‘porquês’, quando as crianças começam a tomar consciência do mundo em que vivem e quase enlouquecem os pais, querendo respostas para tudo.
Além de ‘Criatividade’ e ‘Planeta Terra’, ao longo de aproximadamente dois anos, as professoras desvendarão os segredos da Astronomia, da Economia, da Oratória, da Comunicação, além de repassar Metas e Lições de Vida para os pequenos.

ALUNOS
O FasTracKids é um método de aprendizado americano que chegou ao Brasil em 2007 e é voltado para crianças de 2 a 8 anos. Seu objetivo é despertar a vontade de aprender, desenvolvendo capacidades ao mesmo tempo em que incentiva o interesse por absorver conhecimentos. Uma proposta pedagógica que seduziu a analista de sistemas Sirley Gonçalves e o marido Rogério Gomes: o filho deles, Guilherme Gonçalves, está testando o método.
Outro aluno do método internacional é Nicolas Brunelli Vieira, de 6 anos. Na recepção do FasTracKids, seu pai, o engenheiro Lindomar Heloísio Moreira, não tira os olhos da TV que transmite em tempo real o que o filho faz dentro da sala de aula.

ESPECIAL
Apesar de os programas do FasTracKids não terem sido originalmente desenvolvidos para crianças com necessidades especiais, o método detectou que essas crianças frequentemente se beneficiaram de sua participação nas aulas. Por essa razão, o pequeno João Lucas Gomes Chamon Assu, de 4 anos, que é portador da Síndrome de Down, é um dos alunos do Espaço FasTracKids Ipatinga.
A funcionária pública Luciene Cristina Gomes Chamon, mãe do garoto, descobriu o FasTracKids através de uma reportagem de jornal, mas antes de matriculá-lo foi alertada pelos diretores de que os resultados pedagógicos atingidos podem não ser os mesmos de outras crianças ou podem simplesmente inexistir.
“Até hoje não há pesquisa formal que comprove esse benefício, fato que sempre frisamos aos pais interessados”, explica a diretora Taís Guimarães.
Cientes da realidade, Luciene e o marido Leonardo Oliveira Assu prosseguiram com a matrícula e a cada semana ficam impressionados com o rendimento do filho, hoje mais comunicativo e curioso.

SERVIÇO

O Espaço FasTracKids Ipatinga disponibiliza aulas-cortesia para crianças de 2 a 8 anos de idade;s agende pelo telefone 31-3824-5077 ou pelo site www.ftkbrasil.com.br.


A família de João Lucas, que tem Síndrome de Down, quer desenvolver todo potencial intelectual do garoto
para que ele possa progredir nos estudos e na vida

Você também pode gostar