Cultura

Contém Cultura abre programação de abril com Cidade de Plástico

PERIQUITO – Com a exibição de “Cidade de Plástico”, o Contém Cultura abre a programação cinematográfica deste mês. O filme, que será exibido no dia 7, às 15h30, conta a história de Yuda e seu filho Kirin. Os dois comandam a máfia da pirataria no Brasil, mas seu império do crime entra em decadência ao ser ameaçado por uma poderosa organização com fortes influências internacionais.
No dia 14, também às 15h30, entra em cena “O Grão, filme sobre Perpétua”. Sentindo que a morte está próxima, ela decide preparar o neto Zeca para a separação a partir da contação da história de um rei e uma rainha. Após perderem o único filho, o casal deseja trazê-lo de volta à vida. Enquanto isso, um casal humilde luta para sustentar a casa e preparar o casamento da filha.
“Diário de uma busca” será a atração do dia 18 da sala de cinema de Periquito. No filme, que será exibido às 18h, Flávia Castro reconstrói a história de vida e morte de seu pai, Celso Castro, um jornalista de esquerda, encontrado morto no apartamento de um ex-oficial nazista.
No dia 21, às 15h30, será exibido “Maré, nossa história de amor”. O filme retrata a filha de um dos chefes do tráfico de drogas da Favela da Maré que se apaixona pelo irmão do líder de uma gangue rival, e a única coisa que pode fazer com que eles fiquem juntos é a dança.
Acontecimentos inexplicáveis assustam uma mulher (Helena Albergaria) e seu marido (Marat Descartes) no supermercado que acabaram de comprar. Esse é um recorte da história narrada pelo filem Trabalhar cansa, que será exibido na última sessão do mês de abril, no dia 28, às 15h30.

BREAKING
Além da programação cinematográfica, o Contém Cultura, patrocinado pela Cenibra, via Lei Federal de Incentivo à Cultura, promove outras atrações, como saraus literários e oficinas ligadas às artes. Na sessão do dia 17 de março, a sala multicultural do projeto recebeu uma oficina de Breaking, com o B.Boy Luizin. Dez adolescentes participaram da aula, que foi dividida em cinco etapas, entre teóricas e práticas, abordando desde a história da dança até noções sobre como se desenvolve a dança nas pistas. “Ensinei alguns passos ao grupo, e os alunos me acompanharam muito bem. Essa etapa do trabalho foi antecedida por uma sessão de alongamento”, conta o oficineiro. Em outro momento, os alunos, divididos em dois grupos, participaram de uma batalha. “Os meninos se enfrentaram dançando e deram um show, mostrando que têm muita habilidade para o Breaking”, conclui o B.Boy Luizin, que ainda comandou uma sessão de cinema comentado sobre a dança.

Você também pode gostar