Cultura

Cinema Brasileiro é convidado de honra no Festival de Cannes

Cena de “Na Estrada”, de Walter Salles, a partir do livro “On the Road”, de Jack Kerouac   (Crédito: Divulgação)

 

BRASÍLIA – A 65ª edição do Festival Internacional de Cannes, na França, começou anteontem (16) e vai até o dia 27. O cinema do Brasil será o principal homenageado, como convidado de honra. O cineasta Nelson Pereira dos Santos, de 84 anos, deverá receber uma homenagem durante o festival. O filme “A Música segundo Tom Jobim”, de Santos, será exibido em sessão especial.
Em abril, a decisão foi anunciada pelo diretor do festival e responsável pela programação de filmes do evento, Thierry Frémaux. Segundo ele, o filme “A Música segundo Tom Jobim” é uma “homenagem” ao compositor, que chamou de “criador da bossa nova”.

BRASIL
O filme de Santos conta a trajetória e a forma de criar de Antonio Carlos Jobim por meio da música e do pensamento do compositor. Frémaux citou ainda diretores brasileiros, como Cacá Diegues, que representa o chamado Cinema Novo com filmes clássicos – “Xica da Silva” e “Quilombo” -, além de Ruy Guerra, que dirigiu “Ópera do Malandro” e “Os Deuses e os Mortos”, entre outros.
No Festival de Cannes, o Brasil será destaque com o longa metragem de Walter Salles, “Na Estrada”, baseado no livro On the Road, de Jack Kerouac, e Glauber Rocha, com “Terra em Transe” e “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro”.

ABERTURA
Anteontem (16), a abertura do festival foi dedicada ao filme “Moonrise Kingdom”, do norte-americano Wes Anderson. A atriz francesa Bérénice Béjo, que se tornou mais conhecida por sua atuação no filme “O Artista”, fez a apresentação do evento. Em seguida, o cineasta italiano Nanni Moretti, vencedor da Palma de Ouro em 2001 e diretor do júri do festival, elogiou a França pelo evento.
“[A França] é um país que, ao contrário de outros, mantém papel importante para o cinema em sua sociedade”, disse Moretti. A cantora Beth Ditto interpretou Candle In the Wind, canção escrita por Elton John em homenagem a Marilyn Monroe, morta há 50 anos, e que ilustra o cartaz dessa edição do festival.
A expectativa dos organizadores é que em 12 dias mais de 80 mil pessoas, entre atores, jornalistas, cinéfilos e caçadores de autógrafos, participem do evento. A ocasião, segundo especialistas, é utilizada também para o lançamento de projetos.
O norte-americano Sacha Baron Cohen, o eterno Borat, passeou pelas ruas da cidade montado em um dromedário para fazer a promoção de seu novo filme “O Ditador”.


O filme “A Música segundo Tom Jobim”, de Nelson Pereira dos Santos, será exibido em sessão especial

Você também pode gostar