Nacionais

Bolsonaro começa a ver a distância entre o discurso radical e a prática

(*) Fernando Benedito Jr.

Aborto já é admitido em alguns casos, tempo de aposentadoria para militares é menor e venezuelanos já podem entrar no Brasil

 

(DA REDAÇÃO) – É bom o eleitor de Bolsonaro que votou contra petistas, comunistas, abortistas, bolivarianistas “ já ir” se acostumando com as mudanças que o novo governo terá que incorporar, seja em função das leis, da Constituição, da liturgia do cargo ou das mudanças já incorporadas pela sociedade brasileira, que não admite retrocessos. Algumas propostas de radicalização feitas pelo presidente eleito começam a definir novos contornos nos primeiros dias de transição: o aborto já é admitido em alguns casos, o tempo de aposentadoria para militares é menor do que para o resto dos mortais e os venezuelanos já podem entrar no Brasil ao invés dos esquerdistas, abortistas, bolivarianistas serem deportados para a Venezuela. Também já não se vê mais as bravatas e gestos de armas, estimulando a violência. Até porque, cabe ao governo resolver o problema da violência e também poque Sérgio Moro diverge de certas idéias bolsonaristas. Então, é melhor os radicais de direitas admitirem certas mudanças porque dói menos.

PREVIDÊNCIA

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), defendeu que seja aprovado ainda este ano algum passo, “por menor que seja”, na Reforma da Previdência. Ele propõe a fixação da idade mínima para 61 anos para os homens e 56 para mulheres. O presidente prevê “majorar” em determinadas carreiras que serão especificadas. A intenção é aprovar as mudanças ainda este ano.

“Um grande passo, no meu entender, se este ano for possível, vamos passar para 61 anos [a idade mínima] o serviço público para o homem, 56 para a mulher, e majorar também o ano nas demais carreiras. Acredito que seja um bom começo para entrar no ano que vem já tendo algo de concreto para nos ajudar na economia”, disse o presidente eleito em entrevista à TV Aparecida.

MILITARES

Segundo Bolsonaro, não se pode generalizar a fixação da idade mínima de 65 anos porque certas atividades são incompatíveis com a aposentadoria até mesmo aos 60. O presidente eleito usou como exemplo os policiais militares do Rio de Janeiro. “Não é justo colocar lá em cima [a idade mínima].”

No projeto que está na comissão especial da Câmara dos Deputados, a idade mínima é de 65 anos para homens e 62 para mulheres. A proposta já foi aprovada na comissão especial, ainda tem de passar por outras instâncias na Casa.

PRIORIDADES

Bolsonaro reiterou que o tema está entre as prioridades para o governo eleito. “Não adianta ter uma boa proposta previdenciária, se ela não vai passar na Câmara e no Senado. Queremos dar um passo, por menor que seja, mas dar um passo na Reforma da Previdência, que é necessário.”

Para o presidente eleito, é necessário eliminar as incorporações de cargos de comissão aos salários de servidores que desempenham essas funções por algum tempo.

FUSÃO DE MINISTÉRIOS

Depois de idas e vindas, funde não funde, Bolsonaro indicou que deve manter em pastas distintas Meio Ambiente e Agricultura, não deu sinalizações de fusão das duas áreas. “Vários ruralistas estão achando que não é o caso a fusão, mas vou deixar bem claro que não vai haver diferença.”

O presidente eleito reiterou que a nomeação dos ministros será feita somente por ele. “Quem vai nomear o ministro do Meio Ambiente vai ser eu, e não vão ser essas pessoas que tivemos até o momento transitando por lá, prestando um desserviço ao meio ambiente e um desserviço ao homem do campo.”

ABORTO

Questionado sobre ampliar, na legislação, as possibilidades de autorização para o aborto legal, Bolsonaro disse que sua prioridade é manter como está. “O compromisso que tenho é não deixar ampliar o aborto em hipótese alguma”, disse ele.

O presidente eleito diz que é contra o aborto, mas há situações extremas em que é necessário reavaliar a posição. “Eu sou contra o aborto, mas a questão do risco de morte para a mãe é uma questão que fica difícil. Se não abortar uma gravidez tubária, a mãe vai morrer. Qual é a solução? É deixar a acontecer? Peço a Deus que me ilumine para tomar uma decisão no tocante a isso, caso essa questão volte a ser discutida no plenário da Câmara e do Senado”.

VENEZUELANOS

Durante a campanha, em Roraima, Bolsonaro disse que tinha que metralhar a petralhada e mandá-los comer capim na Venezuela, agora já admite ser a favor do acolhimento aos venezuelanos que chegam ao Brasil como refugiados, mas disse que é preciso combinar essa recepção com medidas contra o governo da Venezuela.

“Vamos reconhecer a situação da Venezuela. Eles estão fugindo da ditadura, da fome e da violência, mas o Governo Federal tem que tomar medidas contra o Governo Maduro. E não apenas acolher e deixar que se resolva as coisas naturalmente”. (Com informações do Congresso em Foco)

Você também pode gostar