Cidades

Audiência expõe falhas na saúde pública regional

Agnaldo Bicalho: “Ipatinga vive uma situação endêmica: pessoas fora do município representam 50% do atendimento do Hospital Municipal” disse  (Crédito da Foto: ACS/CM)

 

IPATINGA – O tema da 49ª Campanha da Fraternidade foi debatido na noite de ontem (26) durante audiência pública na Câmara Municipal, atendendo à convocação do vereador Agnaldo Bicalho (PT). Neste ano, o enfoque é “Fraternidade e Saúde Pública – que a saúde se difunda sobre a terra”.
Para o parlamentar, a política de saúde pública concebida no Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS), é uma ferramenta importante e eficaz, sendo inclusive melhor do que as de países de primeiro mundo.
“Os países de primeiro mundo cobram do cidadão, pessoas que normalmente não têm plano de saúde morrem sem atendimento. Não há neles um sistema universal como a gente tem no Brasil, um sistema totalmente gratuito”, observou.
A perspectiva do SUS é atender indistintamente e cobrir todas as despesas. Mas, por problemas de gestão, a política pública não funciona adequadamente.
“É muita corrupção e má gestão pública. No final, o programa acaba não funcionando. Precisamos descaracterizar essa impressão de que o SUS não presta. É um programa excelente e bem concebido e que precisa ser fiscalizado”, destacou.

R$ 105 MILHÕES

Agnaldo informou que o orçamento municipal deste ano destinou R$ 105 milhões só para a área da saúde. Contudo, a alta quantia não é refletida em melhores serviços à população.
O petista reclamou a volta das filas nas Unidades de Saúde, a falta de médico, consultas especializadas e ainda exames de maior complexidade.
Ele frisou que as unidades de saúde atendem dez pessoas por dia e há uma fila interminável. “Na prática, a gente não vê melhoria na ponta. A saúde do município tem deixado a desejar. Perdeu-se inclusive controle dessa fila, os gestores não têm estimativa de espera”, ponderou.
“Nós tentamos criar uma rede de atendimento, enquanto os municípios vizinhos criam uma rede de transporte. Fazemos unidades de saúde e tentamos ampliar o Hospital Municipal. Já as cidades vizinhas transportam a cada dia mais e compram ambulâncias novas, mas não fazem um posto de saúde sequer ou um pronto-atendimento”, analisou.

CARTÃO SUS
“Hoje estamos vivendo problemas mais inusitados. O Governo Federal exigiu o recadastramento do novo cartão SUS. No município de Ipatinga, a população está enfrentando fila para fazê-lo”, denunciou.

GRS
“Chamamos aqui a Superintendência Regional de Saúde porque saúde não é uma questão que se resolve somente em uma cidade. Principalmente em Ipatinga, que é polo e referência, atrai e recebe muitos problemas. O Vale do Aço vive uma questão urgente e dramática, que é o fechamento do Hospital Siderúrgica”, alegou.
O fechamento da unidade hospitalar fabricianense acarretou no aumento da demanda em Ipatinga e Timóteo. Agnaldo pediu uma ‘contraprestação’ do Estado até que a situação seja resolvida.
“Ipatinga vive uma situação endêmica: pessoas fora do município represetnam 50% do atendimento do Pronto-Socorro. Sabemos que não tem como recusar o atendimento, é a vida. A Campanha da Fraternidade desse ano é focada na vida. Saúde enquanto proteção da vida e o maior bem das pessoas”, justificou.

PMI cadastra usuários do SUS
Ipatinga
– Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) atenderam à convocação da Prefeitura de Ipatinga e procuraram as Unidades de Saúde e o Serviço de Autorização Médica (SAM), no último sábado (24), para efetuar o cadastramento do Cartão SUS, documento que passará a ser exigido para qualquer tipo de atendimento, como consultas, exames e cirurgias. A determinação do Ministério da Saúde é que todos tenham o cartão até 2014, com um número único e válido em todo o Brasil.
O mutirão realizado pela Prefeitura de Ipatinga contou com a participação efetiva dos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde. A participação foi positiva na maioria das unidades. No bairro Canaã, que possui cerca de 26 mil usuários do SUS cadastrados, a Unidade de Saúde recebeu 5.340 usuários para realizar o cadastramento em apenas um dia de trabalho.
Após o mutirão, as 19 Unidades de Saúde e a Policlínica de Ipatinga continuam sendo pontos de apoio para efetuar o cadastro dos usuários. As instituições estão preparadas para gerar o número de identificação e o cartão nacional do SUS provisório, já que o documento definitivo é enviado posteriormente pelo governo federal à residência do usuário.
O número e o cartão provisório do usuário do SUS continuam sendo gerados no Departamento de Controle e Avaliação (Decav), no 5º andar da Prefeitura de Ipatinga, no período de 14h às 17h.
São exigidos os seguintes documentos (original ou xérox): carteira de identidade (não é permitido carteira de motorista), certidões de nascimento ou casamento e comprovante de endereço. Maiores informações (31) 3829-8265 ou 8165.

Você também pode gostar